Uma deusa africana descoberta no Rio Grande do Sul

17 de setembro de 2018

164
compartilhamentos

Uma escultura da deusa Nimba, peça importante nos rituais africanos do oeste do continente, passou décadas no anonimato em meio a outros objetos guardados por um colecionador da cidade de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul. Agora, sua identidade foi reconhecida e anunciada pelo Núcleo de Estudos em Cultura Afro-Brasileira e Indígena (Neabi) da PUC-RS. A peça, pertencente às etnias Baga e Nalu, das atuais repúblicas da Guiné e Guiné-Bisssau, é o primeiro artefato desse tipo descoberto e produzido em solo americano.

Descoberta da peça

A escultura foi encontrada por um pescador no rio Ijuí, na região das Missões, no Rio Grande do Sul. Na época, a região sofria uma grande seca que fez o leito surgir próximo a um conjunto de ilhas no Rincão dos Mendes. Nos anos de 1980, a peça foi comprada pelo artesão Getúlio Soares Lima, colecionador de artigos missioneiros.

Em 2016, Lima convidou o pesquisador Edison Hüttner, coordenador do Neabi para conhecer sua coleção particular em Santo Ângelo. Foi, nesta oportunidade que Hüttner viu a peça e se interessou por pesquisá-la.

Resultado da pesquisa

Nimba, Rio Grande do Sul

Nimba, “alma grande”, deusa da fertilidade das etnias Baga e Nalu, no oeste da África. Feita de um só bloco de madeira, tem 46,4 cm de altura e 3,7 kg.

Foram dois anos de pesquisa. Edison Hüttner identificou a estátua de Nimba, deusa da fertilidade dos povos Baga e Nalu, na região da Guiné e Guiné-Bissau, no oeste do continente africano.

A peça, feita em um único bloco de madeira, tem 46,4 cm de altura e pesa 3,7 kg. Estava fixada em algum local para ser cultuada.

Certamente, a escultura foi feita no Brasil uma vez que os escravos eram proibidos de carregar objetos nos navios negreiros. Seu autor – escravo, liberto ou um fugitivo quilombola do século XVIII ou XIX –, era um mestre que conhecia a arte, a escultura e os rituais praticados por aqueles povos africanos.

A peça possui os detalhes, a sincronia, o significado e arte de uma deusa Nimba: a cabeça tem crista, tranças, escarificações e olhos definidos; o peito arredondado com seios alongados e mamilos salientes; quatro pernas finas que iniciam na base do peito até o chão.

Hipóteses da origem da peça

São diversas as hipóteses sobre a origem da estátua. Ela pode ter chegado até o rio Ijuí proveniente de uma leva de escravos que chegou à região entre os séculos XVIII e XIX. Conhecem-se as seguintes levas:

  • Em 1756, cerca de 190 escravos acompanharam um comando militar português que acampou por oito meses em Santo Ângelo.
  • Em 1765, uma leva de negros da Guiné, proveniente da Bahia, chegou ao Rio Grande do Sul.
  • Em 17874, cerca de 13 mil escravos da Guiné foram levados para Buenos Aires pelos tratados de comércio entre as coroas ibéricas.
  • Em 1814, em Sete Povos da Missões, havia 250 negros.
  • Quilombo próximo ao rio Conceição, que desemboca no rio Ijuí, cuja existência era conhecida à época da Revolução Farroupilha (1835-1845). O local, próximo à Villa de Cruz Alta (RS), na região das missões, abrigava escravizados da Guiné. Rituais africanos, proibidos pelo governo da época, eram realizados às escondidas dentro dos quilombos.

A deusa Nimba e sua gente

Nimba significa “alma grande”, é a deusa da fertilidade cultuada pela sociedade secreta Cimo, nas festas da semeadura e colheita do arroz. Há relatos de jesuítas do séc. XVII sobre um ritual com a deusa Nimba feito pelo povo Baga. Os Nalu, na mesma região, adotaram a mesma deusa e seus ritos. O ritual ainda é praticado, a despeito da maioria da população hoje ser muçulmana e católica.

Cada Nimba é uma peça única, com características que revelam originalidade e a habilidade do artista, e seu contexto. Portanto, a Nimba nunca é uma réplica.

Nimbas com mais de 1m de altura são usadas como máscaras apoiadas no ombro e compõe o traje do dançarino durante os rituais. As Nimbas médias e pequenas, como a encontrada no Brasil, servem para serem cultuadas em uma espécie de altar.

Os Bagas eram, e ainda são, grandes caçadores, pescadores e produtores de arroz. Durante os primeiros tempos de contato com os navegadores portugueses, vendiam-lhes marfim e produtos da floresta. É uma sociedade patriarcal mas com forte presença de mulheres em todos os níveis de decisão, sinal de uma sociedade matriarcal anterior.

Máscara de Nimba vestida.

A máscara de Nimba apoia-se nos ombros da dançarina durante as cerimônias agrícolas. O corpo fica oculto pelo tecido e uma saia de ráfia. A dançarina olha através da abertura entre os seios da máscara. ombros, olhando através de buracos entre os seios

Importância da descoberta

Segundo Edison Hüttner, a Nimba encontrada no Brasil é o primeiro artefato desse tipo descoberto e produzida em solo americano. Todas as peças hoje expostas em museus europeus e norte-americanos são provenientes da África.

Isso indica a existência de rituais autênticos de religiosidade africana praticados por  afrodescendentes brasileiros.

Fonte

Veja também

Máscaras africanas: beleza, magia e importância (para recortar e colorir).

 

 

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: