Um conto para a primeira aula de História do 6º. ano

28 de janeiro de 2015

1262
compartilhamentos

A História é uma ciência que lida com o tempo – um conceito abstrato e historicamente construído. Isso, por si só, é um complicador para o 5°. e 6°. anos, alunos com 10-11 anos de idade cuja capacidade de abstração mal começou a se delinear. Para tornar a explicação ainda mais complexa, a simples pergunta “o que é História?” não tem uma resposta imediata já que os significados da História estão em constante mudança.

Diante disso, como começar o ensino de História no 5º. e 6º. anos? Um recurso eficiente é utilizar-se de contos, mitos, lendas e fábulas. Reproduzo aqui um dos meus contos preferidos: Os Cegos e o Elefante. É uma bela metáfora que permite refletir sobre o que é verdade no âmbito da História.

A palavra História originou-se da expressão grega “istoría”, que tem dois sentidos: um objetivo – o que ocorreu – e outro subjetivo – o conhecimento do ocorrido. Em português, também, permaneceu esse duplo sentido. O conhecimento histórico, construído pelo historiador, não tem por objetivo reconstituir o “fato em si”, mas interpretá-lo, de acordo com as fontes investigadas mas que não deixa de ser uma visão particular. Cada narrativa tem a sua própria verdade, que resulta da investigação e da reflexão crítica do Historiador.

A fábula dos Cegos e o Elefante permite, também, uma reflexão sobre a diversidade de opiniões, nem sempre excludentes, mas que podem conter parte da verdade; daí, a importância em ouvir o outro e procurar compreender seu ponto de vista. Fala também sobre o valor da troca de experiências e do trabalho em equipe para se atingir um objetivo. Compreender o todo a partir da análise das partes e da interação entre estas é  outra lição deixada pela fábula.

os_cegos_e_o_elefante

Ilustração de Barbara McClintock, para o livro “Leave your sleep”.

Os cegos e o elefante

Há muitos anos vivia na Índia um rei sábio e muito culto. Já havia lido todos os livros de seu reino. Seus conhecimentos eram numerosos como os grãos de areia do Rio Ganges. Muitos súditos e ministros, para agradar o rei, também se aplicaram aos estudos e às leituras dos velhos livros. Mas viviam disputando entre si quem era o mais conhecedor, inteligente e sábio. Cada um se arvorava em ser o dono da verdade e menosprezava os demais.

 

O rei se entristecia com essa rivalidade intelectual. Resolveu, então, dar-lhes uma lição. Chamou-os todos para que presenciassem uma cena no palácio. Bem no centro da grande sala do trono estavam alguns belos elefantes. O rei ordenou que os soldados deixassem entrar um grupo de cegos de nascença.

 

Obedecendo às ordens reais, os soldados conduziram os cegos para os elefantes e, guiando-lhes as mãos, mostraram-lhes os animais. Um dos cegos agarrou a perna de um elefante; o outro segurou a cauda; outro tocou a barriga; outro, as costas; outro apalpou as orelhas; outro, a presa; outro, a tromba.

 

O rei pediu que cada um examinasse bem, com as mãos, a parte que lhe cabia. Em seguida, mandou-os vir à sua presença e perguntou-lhes:

 

– Com que se parece um elefante?

 

Começou uma discussão acalorada entre os cegos.

 

Aquele que agarrou a perna respondeu: – O elefante é como uma coluna roliça e pesada.

 

– Errado! – interferiu o cego que segurou a cauda. – O elefante é tal qual uma vassoura de cabo maleável.

 

– Absurdo! – gritou aquele que tocou a barriga. – É uma parede curva e tem a pele semelhante a um tambor.

 

– Vocês não perceberam nada – desdenhou o cego que tocou as costas. – O elefante parece-se com uma mesa abaulada e muito alta.

 

– Nada disso! – resmungou o que tinha apalpado as orelhas. – É como uma bandeira arredondada e muito grossa que não para de tremular.

 

– Pois eu não concordo com nenhum de vocês – falou alto o cego que examinara a presa. – Ele é comprido, grosso e pontiagudo, forte e rígido como os chifres.

 

– Lamento dizer que todos vocês estão errados – disse com prepotência o que tinha segurado a tromba. – O elefante é como a serpente, mas flutua no ar.

 

O rei se divertiu com as respostas e, virando-se para seus súditos e ministros, disse-lhes:

 

– Viram? Cada um deles disse a sua verdade. E nenhuma delas responde corretamente a minha pergunta. Mas se juntarmos todas as respostas poderemos conhecer a grande verdade. Assim são vocês: cada um tem a sua parcela de verdade. Se souberem ouvir e compreender o outro e se observarem o mundo de diferentes ângulos, chegarão ao conhecimento e à sabedoria.

                                (Conto do budismo chinês. Extraído de DOMINGUES, Joelza Ester. História em Documento. Imagem e texto. São Paulo: FTD, 2012.)

os_cegos_e_o_elefante

Os cegos e o elefante, relevo feito na parede, Tailândia.

Os cegos e o elefante em poesia

O poeta norte-americano John Godfrey Saxe (1816-1887)  ficou conhecido por recontar a fábula em poesia. Os alunos vão gostar de ler em voz alta e interpretar os versos, uma atividade excelente para desenvolver a oralidade. A tradução abaixo foi extraída do site Recanto das Letras.

Seis homens sábios do Industão,

Uma terra bem distante,

Ouviram, atentos, os boatos

Sobre um animal gigante

E apesar de serem cegos

Foram ver o elefante.

 

O primeiro passou as mãos

Sobre a barriga dura e falha,

E explicou bem confiante:

“Minha análise não falha:

Esse tal de elefante

Mais parece uma muralha!”

 

O segundo tocou as presas

E proclamou com confiança:

“Este tal de elefante

Não é brincadeira para criança

Tão pontudo e afiado

Mais parece uma lança!”

 

O terceiro chegou à tromba

Elogiando a bela obra:

“…tão comprido, e gelado,

Vejam só, ele até dobra!

O flexível elefante

Mais parece uma cobra!”

O quarto sentiu a pata

E teve logo a recompensa

Percebendo as semelhanças

Anunciou com indiferença:

“Este animal mais se parece

Com uma árvore imensa!”

 

O quinto tocou as orelhas

E sugeriu, conservador:

“Mas que belo utensílio

Nestas tardes de calor,

Este tal de elefante,

Mais parece um abanador!”

 

O sexto subiu às costas

Despencando na outra borda

E pendurado ao rabo, disse:

“Não sei se alguém discorda,

Mas para mim esse animal

Mais se parece com uma corda!”

 

E então os sábios homens

Discutiram inconformados

Cada um com seu discurso

Sem ouvir os outros lados

Pois estavam certos, em partes.

Mas completamente errados!

 

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rosana Alves Pinheiro Bastiaens
Rosana Alves Pinheiro Bastiaens
5 anos atrás

Um espetáculo o conteúdo desse site, estou adorando. Baixei alguns videos pra passar para os meus alunos.

José Jacinto
José Jacinto
5 anos atrás

Realmente muito interessante e valoroso este site. Obrigado por disponibiliza-lo.

trackback

[…] “Os Cegos e o Elefante”: um conto para a primeira aula de História. […]

Erlon Couto
Erlon Couto
3 anos atrás

EXCELENTE DICA !!! Obrigado professora. Veio em um momento muito importante para mim que estou lecionando para a EJA da V à VIII Fase na Escola Municipal Rosa Carelli da Costa, município de Piraí, Sul Fluminense do Estado do Rio de Janeiro. Parabéns pelo site e por tudo que ele proporciona. Muito bom. Sucessos para você.

Joelza Ester
Joelza Ester
3 anos atrás
Reply to  Erlon Couto

Bom saber que estamos contribuindo com seu trabalho. Essa é nossa intenção. Um abraço!

Cibelle Cristina
Cibelle Cristina
2 anos atrás

Excelente dica. Parabéns pelo belíssimo trabalho… Me ajudou bastante.

Virgínia
Virgínia
2 anos atrás

Amei! Parabéns!

Allysson F Garcia
Allysson F Garcia
2 anos atrás

Joelza, esse conto é do budismo chinês?

Franciene Rigôr De Freitas
Franciene Rigôr De Freitas
2 anos atrás

Amei esse blog. Me ajudando bastante

Gleiciane de Lima Alberto
Gleiciane de Lima Alberto
2 anos atrás

Boa tarde, site inovador com excelentes textos e sugestões de atividades. obrigada por compartilhar conosco.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: