“Ubuntu”, o que a África tem a nos ensinar

28 de abril de 2015

708
compartilhamentos

Ubuntu é uma palavra existente nas línguas zulu e xhosa, faladas na África do Sul, que exprime um conceito moral, uma filosofia, um modo de viver que se opõe ao narcisismo e ao individualismo tão comuns em nossa sociedade capitalista neoliberal. Pode ser uma alternativa ecopolítica para uma convivência social e planetária pautada pelo altruísmo,  fraternidade e colaboração entre os seres humanos.

Crianças Xhosa mostram o que é ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Crianças Xhosa mostram o que é ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

A jornalista e filósofa Lia Diskin durante o Festival Mundial da Paz, ocorrido em Florianópolis, em 2006, contou o seguinte caso de uma tribo na África:

Um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo Ubuntu e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Como tinha muito tempo ainda até o embarque, ele propôs, então, uma brincadeira paras crianças que achou ser inofensiva.

 

Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, colocou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e colocou debaixo de uma árvore. Aí ele chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse “já!”, elas deveriam sair correndo até o cesto e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que estavam lá dentro.

 

As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse “Já!” instantaneamente todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto. Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e a comerem felizes.

 

O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces. Elas simplesmente responderam:

 

–Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?

 

Ele ficou pasmo. Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo e ainda não havia compreendido, de verdade, a essência daquele povo. Ou jamais teria proposto uma competição, certo?

 

Ubuntu significa: “Eu sou porque nós somos” ou, em outras palavras “Eu só existo porque nós existimos”.

 

“Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?” A resposta singela da criança, é profunda e vital pois está carregada de valores como respeito, cortesia, solidariedade, compaixão, generosidade, confiança – enfim, tudo aquilo que nos torna humanos e garante uma convivência harmoniosa em sociedade.

Ubuntu exprime a consciência da relação entre o indivíduo e a comunidade. É, ao mesmo tempo, um conceito moral, uma filosofia e um modo de viver que se opõe ao narcisismo e ao individualismo tão comuns em nossa sociedade ocidental capitalista. Enquanto a ideia europeia sobre a natureza humana baseia-se na ideia de liberdade , de que os indivíduos têm o poder da livre escolha, a ideia africana do ubuntu repousa sobre a ideia da comunidade, de que pessoas dependem de outras pessoas para serem pessoas.

Segundo o espírito de ubuntu, as pessoas não devem levar vantagem pessoal em detrimento do bem-estar do grupo. Para que uma pessoa seja feliz será preciso que todas do grupo se sintam felizes. Estamos conectados uns com os outros e essa relação estende-se aos ancestrais e aos que ainda nascerão.

Ubuntu é, assim, um sistema de crenças, uma ética coletiva e uma filosofia humanista espiritual pautada pelo altruísmo, fraternidade e colaboração entre os seres humanos. Do ponto de vista político, o conceito de ubuntu é usado para enfatizar a necessidade da união e do consenso nas tomadas de decisão. É a síntese de um conhecido provérbio xhosa da África do Sul que diz o seguinte: “Umuntu Ngumuntu Ngabantu“, que significa “Uma pessoa é uma pessoa por causa das outras pessoas“.

Alunos em uma escola infantil nas Filipinas demonstram o ubuntu.

Alunos em uma escola infantil nas Filipinas demonstram o ubuntu.

A educadora sul-africana Dalene Swanson, professora da University of British Columbia, em Vancouver, Canadá, fala o seguinte a respeito do ubuntu:

Diferentemente da filosofia ocidental derivada do racionalismo iluminista, o ubuntu não coloca o indivíduo no centro de uma concepção do ser humano. Este é todo o sentido do ubuntu e do humanismo africano. A pessoa só é humana por meio de sua pertença a um coletivo humano; a humanidade de uma pessoa é definida por meio de sua humanidade para com os outros: (…) o valor de sua humanidade está diretamente relacionado à forma como ela apoia ativamente a humanidade e a dignidade dos outros; a humanidade de uma pessoa é definida por seu compromisso ético com sua irmã e seu irmão.

Perguntada sobre que aspectos o ubuntu poderia contribuir para a ética ocidental, Dalene Swanson respondeu:

Vivemos em uma era de globalização econômica neoliberal profundamente perturbadora. Nossas pautas de desenvolvimento foram sequestradas por esse modelo econômico que se apresenta como a forma “certa” ou única de promover o desenvolvimento. Moldado por relações capitalistas de produção, esse modelo é subscrito pelo materialismo, pelo individualismo e pela competição e normaliza uma elite rica sobre os pobres privados de direitos (…). Para maximizar os lucros, pensa-se que algo tem de ser explorado. (…) Em termos ecológicos, também inclui a devastação do meio ambiente em sua esteira.

(…) Visto que o princípio central do ubuntu é o respeito mútuo, ele está em consonância com a epistemologia africana de modo mais geral, que é circular em sua compreensão e, consequentemente, está mais em harmonia ecológica com a Terra do que a epistemologia do racionalismo ocidental, que é linear, exploradora e insustentável.

(…) O ubuntu, como contribuição para uma filosofia nativa, é uma expressão viva de uma alternativa ecopolítica. Em um mundo crescentemente movido a vigilância, o futuro dos direitos humanos (e ecológicos), da dignidade humana e da sobrevivência de nosso planeta em termos amplos dependem de noções filosóficas e ideológicas nativas como o ubuntu.

Arcebispo anglicano Desmond Tutu, autor de uma teologia ubuntu:

Para saber mais

  • SBARDELOTTO, Moisés. Ubuntu, uma “alternativa ecopolítica” à globalização econômica neoliberal. Revista do Instituto Humanitas Unisinos On-Line., ed. 33, 6 dez 2010.
  • RAMOSE, Mogobe B.  A ética do ubuntu. (tradução para uso didático). In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds.). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p. 324-300.
  • NASCIMENTO, Alexandre do. Ubuntu como fundamento. Ujima. Revista de Estudos Culturais e afrobrasileiros, 2014.
  • DE VASCONCELOS, Francisco Antonio. Filosofia Ubuntu. Logeion: Filosofia da Informação, v. 3, n. 2, p. 100-112, 2017.
  • SIBANDA, Patrick. The dimensions of ‘Hunhu/ubuntu’(Humanism in the African sense): The Zimbabwean conception. Dimensions, v. 4, n. 01, 2014.
  • MALOMALO, BasIlele. Filosofia do Ubuntu: Valores civilizatórios das ações afirmativas para o desenvolvimento. Curitiba, PR: CRV, 2014.
  • BHENGU, M. John. Ubuntu: The essence of democracy. Rudolph Steiner Press, 1996.
  • NOGUERA, Renato. Ubuntu como modo de existir: elementos gerais para uma ética afroperspectiva. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 3, n. 6, p. 147-150, 2012.
Publicidade

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
francisco vitelli jr
5 anos atrás

Cultura e cultura . As vezes sobra e muitas vezes nao existe, e o nosso caso. Saudacoes

francisco vitelli jr
5 anos atrás

Ubuntu para todos nos.

Faraó Imbiriba Kafunlumizo
Faraó Imbiriba Kafunlumizo
2 anos atrás

Olá.
Estou com uma duvida. Os valores trabalhados pelo Ubuntu nas comunidades sul africanas, certo? E os demais países da Africa, o que pensam? Existem algum nome em suas respectivas linguas para o modo de viver Ubuntu? E o que os Zulu, xhosa, etc. Pensam sobre guerra? Como eles conseguem pensar ubuntu sendo alguns guerreiros?

Att

Angelo
a.imbiriba@gmail.com

Joelza Ester
Joelza Ester
2 anos atrás

A África tem uma enorme variedade de culturas e etnias. O Ubuntu não é
“africano” pois diz respeito uma determinada cultura sul-africanade fala
zulu e xhosa. O Ubuntu não contradiz o espírito belicoso dos zulus,
pois o Ubuntu não é sinônimo de pacifismo, mas de união, solidariedade,
colaboração, respeito, compartilhamento, integração total à comunidade.
Isso pode ser altamente vantajoso em momentos de guerras pois estabelece
uma união indissolúvel entre os indivíduos.

Naelle
Naelle
2 anos atrás

Altruísmo! Palavra tão pouco notada e tão poderosa. Viva a mãe África e a antropologia que nos permite desvendar tantas riquezas. Artigo muito bom! Parabéns. :’)

Joelza Ester
Joelza Ester
2 anos atrás
Reply to  Naelle

Altruísmo é levar em conta mais os interesse do outro do que os próprios. Uma virtude esquecida em nossos tempos de egoísmo e individualismo.

Aquilino Ramos
Aquilino Ramos
2 anos atrás
Reply to  Joelza Ester

Olá professora Joelza, parabéns pelo artigo riquíssimo! Eu gostaria de ler mais sobre ubuntu em português. Por favor me ajude a localizar: aquilinorelito@gmail.com

JORGE Luiz da Silva
JORGE Luiz da Silva
2 anos atrás

filosofia maravilhosa acabei de conhecer através de uma pessoa muito especial
amei de cara.que bom se o mundo fosse Ubuntu.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: