Resultados

O soldado japonês que não se rendeu e levou a II Guerra Mundial até 1974

26 de julho de 2017

1
compartilhamentos

A Segunda Guerra Mundial terminou em 8 de maio de 1945, na Europa. Já para o Sudeste Asiático e a Oceania, a paz só ocorreu quatro meses depois, em 2 de setembro, quando o Japão finalmente se rendeu. Exceto para um homem: Hiroo Onoda, um soldado japonês que lutava nas Filipinas. Para ele, a Segunda Guerra Mundial só terminou quase trinta anos depois, em 1974.

Para compreender esse fato curioso é preciso contextualizar os acontecimentos retomando o que foi a Guerra do Pacífico e o papel das Filipinas naquele momento.

As Filipinas na rota do expansionismo japonês

As Filipinas são constituídas por mais de 7.000 ilhas (dependendo da maré baixa ou alta). Desde o século XVI foi colônia espanhola até a Guerra hispano-americana de 1898 que resultou na posse do arquipélago pelos Estados Unidos que passaram a ter o controle do arquipélago por tempo indeterminado.

Nas primeiras décadas do século XX, quando Alemanha e Itália executavam uma agressiva política de expansão militar, o Japão seguia o mesmo caminho avançando sobre o Sudeste da Ásia e a Oceania. Em setembro de 1931, o Japão invadiu e dominou a Manchúria, e, em julho de 1937, a China – fato que deu origem à guerra Sino-Japonesa que durou até 1945.

Em relação à Oceania (onde estavam a Indochina, Malásia, Indonésia, Filipinas etc.), o Japão encontrou um obstáculo para seu projeto expansionista: várias nações dominavam a região e, portanto, invadir uma dessas colônias significava declarar guerra à sua metrópole que poderia ser a Grã-Bretanha, a França, a Holanda ou os Estados Unidos.

Territórios ocupados pelo Japão

Territórios ocupados pelo Japão durante a Segunda Guerra Mundial

A Guerra do Pacífico

De olho na Oceania, o Japão aliou-se à Alemanha nazista, em setembro de 1940, formando o Pacto Tripartido que integrou o Eixo Roma-Berlim (existente desde 1936).

Por essa altura, a Segunda Guerra Mundial estava em curso com Hitler ocupando a Dinamarca, Noruega, Holanda, Luxemburgo, Bélgica e a França. A força aérea alemã voltava-se contra o Reino Unido lançando pesado bombardeio sobre as grandes cidades britânicas, entre o final de 1940 e início de de 1941.

Com a Grã-Bretanha na mira da Alemanha nazista, todas as colônias britânicas ficaram vulneráveis. Da mesma forma, as colônias francesas e holandesas na Indochina, Malásia e Indonésia. Em setembro de 1940, o Japão ocupou o norte da Indochina e, logo depois, a Malásia e a Indonésia, ricas em matérias primas.

Diante da expansão japonesa, os Estados Unidos anularam os acordos comerciais com o Japão suspendendo a exportação de petróleo e de matérias primas minerais para a indústria de guerra japonesa, além de congelar os créditos que o Japão possuía nos Estados Unidos.

A resposta do Japão ao bloqueio comercial foi o ataque à base americana de Pearl Harbor, no Havaí, em 8 de dezembro de 1941. Dez horas depois, enquanto os americanos ainda apagavam os incêndios, o Japão atacou as Filipinas e as Índias Holandesas, em 8 de dezembro.

Seguiram-se os ataques e a ocupação japonesa de Hong-Kong, Cingapura, Birmânia e das ilhas da Oceania (arquipélago de Bismarck, Nova Guiné, ilhas Salomão e Alentina). Em 1942, o Japão exercia o domínio sobre cerca de 450 milhões de habitantes e contava importantes riquezas minerais (bauxita, cromo, estanho etc), petróleo, borracha além de recursos agrícolas fundamentais para alimentar o esforço de guerra japonês.

Ocupação das Filipinas pelos japoneses

Sob o comando do general Douglas MacArthur, os americanos mantinham nas Filipinas 22.400 soldados, muitos deles nativos, acrescentados de 8.500 homens vindos dos Estados Unidos além de dois batalhões de tanques. A força aérea incluía 107 caças e 35 bombardeios B-17.

Em 8 de dezembro de 1941, horas depois do ataque a Pearl Harbor, o 14º Exército japonês, sob comando do general Masaharu Homma, invadiu as Filipinas em Luzon, a maior ilha do arquipélago e onde está a capital do país, Manila. Em 23 de dezembro, a maior parte da ilha caiu em mãos japonesas, seguindo-se outros desembarques na parte sul das Filipinas. A maioria das forças aliadas se rendeu ou foi expulsa das áreas de defendia.

O general MacArthur resistiu concentrando a defesa na fortaleza de Corregidor, a ilha fortificada na entrada da Baía de Manila. Mas sua situação se deteriorava a cada dia. Em meados de janeiro de 1942, o presidente Roosevelt ordenou que MacArthur se retirasse de Corregidor e fosse para Austrália, organizando de lá a defesa contra a expansão militar japonesa. Foi durante esta retirada que MacArthur pronunciaria sua célebre frase: “Eu voltarei”.

As forças aliadas que permaneceram na ilha, cercadas por terra, bombardeadas por navios e aviões, e ainda obrigadas a viver sob forte racionamento de víveres, água e munição, acabaram se rendendo em 06 de maio de 1942. Contudo, centenas de oficiais e soldados não aceitaram a rendição e se embrenharam nas florestas filipinas. Muitos deles morreram na selva de fome e doenças, enquanto outros se organizaram em uma guerrilha que, por três anos, fustigou os soldados japoneses na ilha ocupada.

O oficial japonês que nunca se rendeu

Hiroo Onoda e seu irmão

Hiroo Onoda, à direita, com seu irmão Jiro.

Hiroo Onoda nasceu em Kainan, Japão, em 19 de março de 1922, em uma família samurai (classe guerreira).  Aos 18 anos, alistou-se na infantaria do exército japonês. Enviado para a Escola Nakano, o principal centro de treinamento para inteligência militar e guerra não convencional, Onoda tornou-se um oficial da inteligência do Exército Imperial japonês.

Em 26 de dezembro de 1944, ele foi enviado para a Ilha Lubang nas Filipinas para se juntar à Brigada Sugi. O local fica a apenas 120 km a sudoeste da capital, em Manila. A missão do tenente Onoda, descrita em nota pelo major Yoshimi Taniguchi, era a de se manter vivo. Um trecho da nota, em uma tradução livre, dizia que “Isso pode levar três, cinco anos, mas aconteça o que acontecer, nós vamos voltar até você”.

A missão de Onoda era dificultar os ataques dos americanos à ilha através de operações de sabotagem e guerrilha, inclusive destruir o campo de pouso e o cais no porto. Suas ordens também enfatizavam que ele, sob nenhuma circunstância, deveria se render ou suicidar-se.

Quando a ilha foi recuperada pelos aliados, em 28 de fevereiro de 1945, a maioria das tropas japonesas morreu ou foi capturada pelas forças americanas. Onoda e outros homens, porém, esconderam-se na selva densa e continuaram sua campanha contra o inimigo.

Em 02 de setembro de 1945, com a rendição do Japão, os americanos trataram de avisar o fim da guerra aos milhares de soldados japoneses espalhados por todo Pacífico. Para isso, aviões lançaram folhetos informando o fato. O general japonês Tomoyuki Yamashita, do 14º Exército da Área, emitiu um pedido de rendição que também foi produzido em massa e lançado dos céus. Onoda e seus homens não acreditaram. Estavam convencidos de que era uma estratagema para levá-los a se renderem, o que nunca fariam.

Onoda e outros três soldados continuaram vivendo nas montanhas cumprindo a missão que receberam: sabotagem e guerrilha. Sobreviveram roubando arroz e bananas de moradores locais e abatendo vacas para obter carne. Isso provocou uma série de confrontos com a polícia e civis, na sua maioria agricultores. À medida que o número de mortos aumentava, a caçada ao japonês se intensificou. Para os soldados japoneses escondidos na selva era prova de que a guerra continuava sendo travada. Um deles, contudo, acabou se rendendo às forças Filipinas em 1949.

Desesperado para detê-los, o governo japonês enviou mais panfletos em 1952. Desta vez com fotos e mensagens de suas famílias. Onoda novamente concluiu que era outro truque. Os confrontos continuaram e dois soldados foram mortos em escaramuças com as forças locais, em 1954 e em 1972, deixando Onoda sozinho nas montanhas.

Em 1960, Onoda foi declarado legalmente morto no Japão.

Hiroo Onoda volta ao mundo

Foi Norio Suzuki, um jovem explorador e aventureiro japonês, que conseguiu chegar até o tenente Hiroo Onoda. Ele tinha por objetivo “achar Onoda, ver um panda e descobrir o Abominável Home das Neves”,  nessa ordem.

Em 20 de fevereiro de 1974, Suzuki realizou seu primeiro desejo: encontrou Onoda que usava um uniforme militar esfarrapado na ilha Lubang, nas Filipinas. O oficial japonês estava prestes a atirar em Suzuki à queima roupa, mas o jovem rapidamente lhe disse: “Onoda-san, o imperador e o povo do Japão estão preocupados com você”. Onoda abaixou a arma e aceitou ouvir Suzuki.

Desconfiado, Onoda impôs uma condição para baixar armas: receber ordens diretamente de seu oficial superior, o Major Yoshimi Taniguchi. Suzuki se prontificou a ajudar e retornou ao Japão com fotografias de si mesmo e de Onoda como prova de seu encontro.

Norio Suzuki e Hiroo Onoda

Norio Suzuki, à esquerda, e Hiroo Onoda, no célebre encontro que trouxe o oficial japonês de volta ao mundo, vinte e nove anos depois.

O governo japonês encontrou o Major Yoshimi Taniguchi, que havia se tornado um livreiro, e o enviou a Lubang cumprindo, assim, a promessa de que o buscariam, houvesse o que houvesse. O major informou a Onoda da derrota do Japão na II Guerra e lhe ordenou depor armas, dispensando-o de todas as obrigações militares.

O tenente Onoda foi, assim, devidamente isentado do dever e, portanto, jamais se rendeu. Saiu da selva 29 anos após o fim da II Guerra Mundial vestindo seu uniforme e espada, portando seu rifle Arisaka 99, ainda em condições operacionais, e com 500 cartuchos de munição e diversas granadas de mão, bem como a adaga que sua mãe havia lhe dado em 1944 para proteção.

Embora tivesse matado aproximadamente trinta filipinos locais e realizado diversos tiroteios com a polícia, as circunstâncias destes eventos foram levadas em consideração da situação, e Onoda recebeu o perdão do presidente filipino Ferdinand Marcos.

Onoda se mudou para o Brasil, onde se tornou um fazendeiro de gado em uma colônia agrícola em Terenos, Mato Grosso do Sul.

Publicou uma autobiografia, No surrender: my thirty-year war (no Brasil, publicado com o título “Sem rendição”), detalhando sua vida como um combatente de guerrilha em uma guerra há muito tempo terminada. Revisitou a Ilha de Lubang em 1996, doando 10.000 dólares para a escola local. Casou-se com uma japonesa e voltou para o Japão, para administrar um acampamento para crianças, mas voltava com regularidade ao Brasil.

Faleceu em 17 de janeiro de 2014, em Tóquio, aos 91 anos de idade.

Quanto ao aventureiro Norio Suzuki, ele realizou seu segundo desejo: encontrar um panda selvagem. Afirmou ter descoberto um yeti, o Abominável Homem das Neves, nas montanhas Dhaulagiri, no Himalaia, Nepal, em julho de 1975. Mas como o teria visto distante, retornou à sua missão. Acabou morrendo em uma avalanche enquanto procurava o yeti,  em novembro de 1986, aos 37 anos de idade. Seus restos foram descobertos um ano depois e retornaram à sua família.

Hiroo Onoda, depois de entregar suas amas,

Hiroo Onoda, depois de entregar suas amas, é conduzido de volta ao Japão, em 1974

Hiroo Onoda oferece sua espada ao presidente filipino Ferdinand Marcos, 1974.

Hiroo Onoda (à direita), oferece sua espada militar ao presidente filipino Ferdinand Marcos (à esquerda), no dia da sua rendição, em 11 de março de 1974.

Fonte

Morre soldado japonês que levou 29 anos para admitir derrota na guerra. Folha de S. Paulo, 17 janeiro 2014.

He was the last japanese WWII Soldier to surrender, in 1974. War History online, 11 julho 2016.

Onoda, Hiroo. Sem rendição. Biblioteca do Exército, 2016.

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Don Cesare
Don Cesare
2 anos atrás

Muito bom o texto, parabéns!!
Já conhecia a história deste soldado mas foi bom reler sobre o assunto.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: