A propaganda ideológica da Guerra Fria em 14 cartazes da época

29 de outubro de 2018

944
compartilhamentos

A Guerra Fria foi um período de tensão permanente entre os Estados Unidos e a União Soviética que se estendeu entre o fim da II Guerra Mundial (1945) e a caída do muro de Berlim (1990). Essa tensão envolvia a disputa pela liderança mundial entre dois sistemas econômicos e sociais opostos: o capitalismo (sustentado pelos EUA) e o comunismo (sustentado pela URSS).

Foi um período de conflitos por áreas de influência o que gerou confrontos armados e derrubadas de governo, e pela disputa armamentista e tecnológica que alimentou a corrida espacial e os testes atômicos em todo planeta.

As disputas vinham sempre embaladas sob uma poderosa propaganda ideológica em que cada lado enaltecia seu sistema e repudiava o outro.

** No final do artigo, inscrição para o download dos 14 cartazes incluindo questões e respostas**

Ideologia: uma breve explicação

Ideologia (do grego, idea, “ideia”, e logos, “discurso, retórica”) significa um discurso sobre as ideias. Portanto, a grosso modo, ideologia é o ideário, isto é, o conjunto de ideias, pensamentos, visões de mundo, doutrinas ou princípios que orientam as ações sociais e políticas de um indivíduo ou de um grupo.

A ideologia pode servir de instrumento de dominação que age por meio de convencimento (portanto, sem uso da força física) utilizando recursos emocionais ou simbólicos para induzir alguém a aceitar uma ideia, uma teoria, uma crença e/ou agir de determinada maneira. A ideologia está presente na política, na religião, na prática social e na cultura de uma sociedade.

Televisão poderosa mídia

A televisão é uma poderosa mídia para a disseminação de ideologias. Charge de Don Addis, c. 1990.

A Guerra Fria foi, também, uma guerra ideológica uma vez que capitalismo e comunismo são dois sistemas políticos, econômicos e sociais antagônicos, baseados em princípios opostos de direção e organização da sociedade.

As diferenças entre capitalismo e comunismo

As diferenças fundamentais entre capitalismo e comunismo tem a ver com a propriedade – privada ou coletiva – dos meios de produção. Em torno dela, desenvolvem-se outros aspectos diferenciadores que, em síntese são os seguintes:

  • O capitalismo se baseia no direito à propriedade privada que permite ao dono dos meios de produção concentrar a mais-valia (“lucros”). Defende o mercado livre e a livre concorrência baseada na não-intervenção do Estado na economia. O Estado deve garantir os direitos individuais e a propriedade privada. Incentiva o consumismo, o mérito e a iniciativa individual.  Critica o comunismo pela falta de liberdade e de impedir o enriquecimento individual, pela excessiva centralização do poder que conduz a ditaduras e regimes autoritários.
  • O comunismo se baseia na propriedade coletiva dos meios de produção e na distribuição equitativa das riquezas. O Estado intervém e planifica a economia para garantir a igualdade de oportunidades e a redistribuição das riquezas. Incentiva o coletivismo, a inclusão social e a solidariedade social. Valoriza a diversidade. Critica o capitalismo pela exploração da classe trabalhadora em benefício de uma minoria que acumula a maior parte do capital, pela profunda desigualdade social e não atender os mais oprimidos.

No período da Guerra Fria, as diferenças e divergências entre capitalismo e comunismo eram bem claras e definidas, como mostrado acima. Na atualidade, porém, os dois sistemas incorporaram alguns elementos um do outro de maneira que, mesmo permanecendo antagônicos, desdobraram-se em outros modelos de capitalismo e de comunismo.

A propaganda ideológica da Guerra Fria

A propaganda ideológica do capitalismo e do comunismo não surgiu na Guerra Fria. Ela já vinha ocorrendo desde os anos de 1920, com a consolidação do comunismo na Rússia; cresceu na década de 1930 no período da Grande Depressão que afetou os países capitalistas (vide Crise de 1929), e intensificou-se em nível global depois do fim da II Guerra Mundial e no contexto da Guerra Fria.

Campanha eleitoral na Suíça, 1935

“Menos de 5 [dias] para se prevenir da sabotagem comunista! (…) Não às ações comunistas. Não à proibição de pesquisas científicas. Não à aventura financeira”, diz o cartaz de campanha eleitoral de 1935, na Suíça. A foice e do martelo, símbolo comunista, ameaçam decepar a cabeça de Genebra, cidade suíça.

Estados Unidos e União Soviética utilizaram-se de diferentes mídias para divulgar suas ideologias e destruir os oponentes: cartazes de rua, folhetos, revistas, jornais, programas de rádio e TV, filmes, desenhos animados, livros didáticos, histórias em quadrinhos e, lógico, os discursos políticos.

A propaganda e a guerra ideológica provocaram, em ambos os lados, a perseguição de cidadãos que não se alinhassem ao sistema e, por isso, eram acusados de subversão e traição resultando em perda do emprego, prisão e, em alguns casos, à pena de morte.

Nos EUA, a campanha anticomunista levantou suspeitas contra muitos artistas. O Comitê de Atividades Antiamericanas elaborou a Lista Negra de Hollywood com nomes de roteiristas, atores, diretores, músicos e demais artistas apontados como simpatizantes do comunismo ou com ligações com a URSS e, por isso, deveriam ser boicotados. Eles foram demitidos ou ficaram sob cerrada vigilância de seus colegas e superiores, e dos agentes federais.

A propaganda capitalista e anticomunista

A propaganda anticomunista foi produzida em muitos países alinhados aos Estados Unidos, como França, Itália, Espanha e o Reino Unido. Estendeu-se também aos países da África, Ásia e América Latina que estavam sob a hegemonia norte-americana.

A propaganda capitalista e anticomunista exaltava a liberdade de expressão, as facilidades de consumo e as oportunidades de enriquecimento proporcionadas pelo capitalismo. Em contrapartida, denunciava que no comunismo não havia liberdade, o Estado comunista controlava tudo e tomava as terras e casas, a produção industrial era obsoleta, a agricultura deficiente e a população vivia infeliz e sem motivação resultando em altas taxas de suicídio.

A propaganda soviética e anticapitalista

A propaganda soviética apontava as enormes desigualdades sociais, a miséria, o desemprego e a decadência moral (prostituição, drogas, pornografia etc.) do mundo capitalista. Denunciava o racismo e o preconceito existentes nos países capitalistas como as leis discriminatórias e as violências contra a população negra dos Estados Unidos.

Em contrapartida, ressaltava a superioridade do regime comunista, em que o Estado garantia emprego, educação e moradia para o cidadão. Valorizava o espírito coletivista da sociedade comunista em que a produção industrial e agrícola era distribuída de maneira equitativa à população. Destacava que a economia comunista era planificada evitando crises econômicas e oscilações financeiras tão comuns nos países capitalistas.

Trabalhando os cartazes em sala de aula

Trabalhar a propaganda ideológica em sala de aula  oportuniza aos estudantes confrontar dois modelos políticos da Guerra Fria, identificar suas tensões e os recursos simbólicos e subjetivos utilizados em seu discurso para convencer o leitor. Perceber que o desenho, a caracterização de personagens, as cores utilizadas, os títulos e as frases têm uma intencionalidade para induzir alguém a aceitar uma ideia, uma crença e/ou agir de determinada maneira. Trata-se, portanto, de uma atividade que problematiza a a própria imagem contribuindo para o estudante assumir uma atitude historiadora de análise crítica da fonte iconográfica.

São 14 imagens no total, sendo 6 de propaganda capitalista e 8 de propaganda comunista. Elas estão dispostas duas a duas em uma página A-4 (portanto, são 7 páginas com propaganda). Cada imagem tem um conjunto de questões de interpretação.

O professor pode distribuir uma página por grupo de alunos e determinar um tempo para eles concluírem as respostas. Em seguida, as páginas mudam de grupo, de maneira que toda a classe possa analisar todas ou a maior parte das imagens. Se o trabalho for aplicado a outras turmas, é aconselhável plastificar as páginas.

O arquivo de download inclui as respostas das questões e temas para um debate final com toda a classe.

Para baixar as IMAGENS e as RESPOSTAS das questões, inscreva-se abaixo.

Fonte

  • ARBEX JR., José. Guerra Fria, terror de Estado, política e cultura. São Paulo: Moderna, 1997.
  • FENELON, Déa R. A guerra fria. São Paulo: Brasiliense, 1983. Coleção Tudo é História.
  • CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. São Paulo: Brasiliense, 1981. Coleção  Primeiros Passos.
  • HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos, o breve século XX, 1941-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
  • BOBBIO, Norberto. As Ideologias e o poder em crise. 4ªed. Brasília: UNB, 1999.
  • BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Lisboa/Rio de Janeiro: DIFEL/Bertrand, 1989.
  • VISENTINI, Paulo G. Fagundes e PEREIRA, Analúcia Danilevicz. História do mundo contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
  • BERSTEIN, Serge e MILZA, Pierre (dir.). História do século XX. V. 2: 1945-1973, o mundo entre a guerra e a paz. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2007.
  • VILELA, Túlio. Quadrinhos e Guerra Fria: gibis retratam o conflito entre EUA e URSS. UOL Educação, 27 out 2005.
  • SANTIAGO, Roberval. Cartoons e propaganda política. Revista Espacialidades (online), 2009, v. 2, n.1.

 

 

 

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rosa Borges
Rosa Borges
2 anos atrás

Maravilhosa aula Joelza. É meu próximo tema. Com um pouco de sorte consigo fazer as imagens chegarem aos alunos. Obrigado por minimizar meu trabalho. Texto perfeito!

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: