Resultados

A grande fazenda de cana-de-açúcar do Brasil colônia

1 de fevereiro de 2016

513
compartilhamentos

O engenho eram o centro da vida no Brasil colonial, o local de mando e o símbolo do topo da hierarquia social. Inicialmente, a palavra “engenho” designava as instalações onde se manipulava a cana-de-açúcar. Com o tempo, o termo passou a abranger toda a propriedade açucareira, com suas terras, edificações e lavoura.

Os edifícios mais importantes do engenho eram a fábrica, a casa-grande, a senzala e a capela que analisamos a seguir.

***Ao final do artigo, instruções para a atividade e download do desenho para colorir***

A casa-grande no Brasil colônia

Construída na parte mais elevada do terreno – o que permitia uma visão panorâmica de toda propriedade, a casa-grande era a residência do senhor de engenho. Reunia, também, as funções de fortaleza, hospedaria e escritório. Para se proteger dos ataques indígenas, todas edificações eram construídas muito próximas, grudadas: casa-grande, senzala, paiol, casa de farinha, engenho, casa de despejo, etc. Com isso, não se distinguiam os lugares de morar e de trabalhar.   Veja mais a respeito no artigo “O Brasil colonial passado a limpo” (clique no título).

Até fins do século XVII, as casas dos senhores eram feitas de taipa de pau-a-pique. Somente os senhores mais ricos usaram alvenaria de tijolos maciços. As telhas de barro eram produzidas nas olarias do engenho, como as formas dos pães de açúcar e os tijolos.

casa grande frans brasil colonia

Casa-grande de taipa, Frans Post (detalhe), séc. XVII.

Internamente, a casa-grande tinha paredes nuas e o mínimo de móveis: poucas mesas e cadeiras, alguns tamboretes e canastras e, para dormir, redes, esteiras e catres.

Com o tempo essas edificações foram se tornando cada vez mais vistosas, recebendo janelas, varandas ao redor da residência, beirais e soalhos de madeira. Estavam divididas em vários cômodos que abrigavam a família e os agregados: sobrinhos, netos, aliados políticos, compadres, vigário etc.

casa grande morenos pernambuco no brasil colonia

Casa-grande do engenho Morenos, séc. XIX, Morenos, PE

A fábrica no Brasil colônia (o engenho)

A fábrica de açúcar no período colonial, isto é, o engenho propriamente dito, era construído na parte mais baixa do terreno e próximo a rios – fonte de energia e meio de transporte do produto, e das matas – fonte de combustível para as fornalhas.

O que determinava o rendimento do engenho era a força motriz da moenda que podia ser hidráulica ou animal movida por bois ou cavalos.

engenho brasil colonia

Moagem na fazenda Cachoeira, Campinas, SP, Benedito Calixto, c.1920

A roda d´água era a força motriz de melhor rendimento, chegando a ser o dobro do engenho movido por animais. Sempre na vertical, a roda d´água tinha cerca de 7 metros de diâmetro e estava ligada a outra roda menor que movia a moenda.

As rodas d´água continuaram sendo usadas até o século XIX quando foram substituídas pela máquina a vapor importada da Inglaterra.

roda d agua brasil colônia

Roda d’água ainda em uso em fazenda de Minas Gerais.

A cana era colocada nos cilindros manualmente pelos escravos. Era um trabalho perigoso e os acidentes eram comuns. O escravo exausto e com sono muitas vezes perdia a mão ou o braço no meio das engrenagens, precisando ser amputado.

Da casa da moenda, o caldo seguia para a caldeira. O cozimento do caldo era feito em vários tachos de cobre, cada um deles aquecido por uma boca de fogo de lenha. Levou muito tempo para se modernizar esse processo que consumia uma enorme quantidade de lenha e, por conseguinte, provocava o desmatamento de grandes áreas.

tacho de cobre melaço brasil colonial

Tacho de cobre onde o caldo de cana é fervido. Fazenda Brejinho, Prados, MG.

Outro processo, em uso no Caribe desde o século XVII, era a fornalha contínua: ela tinha o mesmo número de bocas do sistema anterior, mas somente a primeira boca recebia o fogo de lenha diretamente. O fogo passava para as outras bocas através de um tubo que diminuía de diâmetro gradativamente até chegar à chaminé. Dessa maneira, a mesma quantidade de lenha usada para uma boca alimentava outras 4 ou 5.

Do cozimento ao produto final

O caldo cozido transformava-se em melaço e este era coado e despejado em formas de pão-de-açúcar, formas de barro em forma de sino. Eram levados para a casa de purgar onde ocorria a drenagem natural. Em seguida, fazia-se o branqueamento do açúcar, processo que durava cerca de quarenta dias.

A secagem era o passo seguinte. Colocavam-se as formas ao sol. Desenformado o açúcar, separava-se, com faca fina, a parte branca da escura (mascavo).

Finalmente, o produto era encaixotado. As caixas eram marcadas com ferro ou tinta identificando tipo, peso, proprietário e mercador. Daí seguiam em barcos para o porto onde aguardavam o embarque para Portugal.

forma de pão de açúcar brasil colônia

Formas de pão-de-açúcar em casa de purgar desativada, engenho Santa Fé, PE. (Fonte: Wikipedia)

Capela do Brasil Colonial

Quase uma continuidade da casa-grande, a capela era modesta, de construção baixa, mas tamanho suficiente para ali serem realizadas as missas, batizados e casamentos. Em geral, os mortos da família do senhor de engenho eram enterrados no interior da capela.

A alvenaria de pedra foi o sistema preferido para a construção de capelas rurais no Brasil colônia. Aproveitaram-se os arrecifes de arenito comuns no litoral de Pernambuco. Essa prática evidentemente nociva aos portos naturais persistiu por muito tempo apesar de proibidas pelas autoridades. Para unir os blocos de pedra usava-se argamasse feita com óleo de baleia.

engenho e capela brasil colonia

Engenho Monjope e capela, Igarassú, PE.

Senzala

“Senzala” é um termo de origem quimbundo (sanzala) que significava “lugar de habitação dos indivíduos de uma família”, ou “morada separada da casa principal”. No Brasil colonial, o termo foi usado para designar a moradia coletiva dos escravos que abrigava dezenas de pessoas.

Não tinham banheiro nem cozinha. Estavam divididas em cubículos. Algumas eram construídas muito próximas e quase contíguas à casa-grande. Outras, mais distantes. As senzalas eram trancadas à noite pelos feitores, a fim de evitar fugas e de impor a disciplina do horário de se recolher e despertar.

senzala engenho uruaê brasil colônia

Senzala do engenho Uruaê, Condado, PE.

Por vezes, havia senzalas distintas para homens e para mulheres. Em alguns casos, até mesmo casas isoladas para casais com filhos. O inglês Henry Koster, que residiu em Pernambuco no início do século XIX, descreveu um engenho afirmando que detrás da casa e vivenda do proprietário, os “negros haviam feito suas cabanas de barro e palha de coqueiros”. (KOSTER, 1978, P. 281).

Os escravos dispunham de um pequeno lote de terra onde plantavam alimentos de subsistência, criavam algumas galinhas e porcos.

Moradia de uma família de escravos, feita de pau-a-pique. Brasil Colonial

Moradia de uma família de escravos, feita de pau-a-pique. Rugendas, séc. XIX.

Instruções para aplicar a atividade

fazenda de cana reconstituição artística brasil colonia

Fazenda de cana, reconstituição artística. (Para download do desenho, veja instruções abaixo.)

Cabe ao professor decidir em que momento essa atividade deverá ser proposta à classe: como fechamento das aulas sobre economia canavieira, como introdução a esse conteúdo ou mesmo durante o desenvolvimento do tema. Seja como for, a atividade deve ser feita em sala de aula, e não como lição de casa, para garantir um melhor aproveitamento do aprendizado. Portanto, solicite aos alunos trazerem lápis de cor no dia em que ela for aplicada.

Antes de distribuir os desenhos, mostre os alunos algumas imagens de antigas fazendas canavieiras e suas instalações (como as mostradas aqui) para referência visual dos alunos.

Explique que as fazendas eram, inicialmente simples e rústicas na sua construção e arquitetura e que foram se tornando mais vistosas recebendo melhorias como janelas com vidro. Algumas se tornaram imponentes.

Esclareça que o desenho é uma reconstituição artística livre, isto é, não se refere a uma fazenda específica, mas apresenta as principais edificações e instalações das propriedades canavieiras do Brasil colonial.

Faça o download do desenho em alta resolução

Você precisará se inscrever em nosso site para receber o arquivo do desenho para colorir (em tamanho A-4) junto com as sugestões de atividades.

É um material gratuito e exclusivo para utilizar em suas aulas. Basta fazer sua inscrição, indicando seu nome e e-mail. Após esta etapa você será direcionado para a página de download.

Fonte

  • FERLINI, Vera Lúcia A. A civilização do açúcar. São Paulo: Brasiliense, 1984.
  • SCHWARCZ, Lilia M. & STARLING, Heloisa M. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2105.
  • SCHWARTZ, Stuart B. Doce lucro. Revista de História.com.br, 1º julho 2013. Disponível aqui.
  • GOMES, Geraldo. Engenho & Arquitetura. Recife: Fundação Gilberto Freyre, 1998.
  • KOSTER, Henry. Viagens ao nordeste do Brasil. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1978.

Outros temas da série “Desenhos para colorir”

 

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: