Revolta dos Malês em Salvador, Bahia

25 de janeiro de 1835

1
compartilhamentos

Em 25 de janeiro de 1835, ocorreu na cidade de Salvador, na Bahia, um dos mais significativos levantes de escravos do Brasil, a revolta dos Malês.

A revolta foi articulada por escravos malês, como eram chamados os africanos muçulmanos na Bahia, no século XIX. Em sua maioria, os malês eram do grupo étnico africano haussás, mas também contava com nagôs (iorubás) e jejes convertidos ao Islã além de incluir, também, seguidores do candomblé.

A data da revolta foi marcada para 25 de janeiro, um domingo, dia da festa de Nossa Senhora da Guia quando grande parte da população livre se deslocaria para o distante Bonfim junto com contingentes do corpo policial. A data escolhida marcava, também, o final do mês de Ramadã (período de jejum dos muçulmanos) e próximo da festa  da “Noite da Glória” ou “Noite da Determinação” (Lailat al-Qadr) que, segundo a tradição muçulmana é o momento que os anjos descem à terra com aprovação de Alá para executar suas ordens.

O movimento, contudo, foi denunciado pelos libertos Domingos, Guilhermina e Sabina – desencadeando uma série de medidas preventivas como reforço da guarda, aumento das rondas noturnas e patrulhas policiais. Com isso descobriu-se uma reunião num sobrado, em Salvador, onde cerca de 60 africanos realizavam uma ceia na qual possivelmente acertavam os últimos preparativos para o levante. O grupo enfrentou os guardas e saiu às ruas da cidade antecipando a rebelião – prevista para eclodir somente às 5 horas da madrugada, quando os escravos iam às fontes pegar água.

As ações dos revoltosos voltaram-se contra as forças policiais que durante quatro horas lutaram nas ruas da capital baiana. A precipitação do movimento e a rápida reação policial contribuíram para conter as adesões. Dentre os cerca de 22  mil africanos da população de Salvador, cerca de 600 aderiram ao levante.

O objetivo principal dos revoltosos era destruir a dominação branca e por fim à escravidão, não sendo claro, porém, se o benefício seria estendido aos mulatos e crioulos (vistos como cúmplices dos senhores) e aos africanos não muçulmanos.

Estima-se que mais de 500 pessoas foram punidas com açoites, prisões e deportações, 281 escravos e libertos foram presos, e 16 africanos condenados à morte, entre os quais, os escravos nagôs Pedro, Gonçalo  e Joaquim, e o liberto Jorge da Cruz Barbosa. Morreram fuzilados, em 14 de maio de 1835, no campo da Pólvora, pois ninguém se dispôs a ser o carrasco do enforcamento previsto em lei.

Fonte

  • REIS, João José dos. Rebeliões escravas no Brasil: a história do levante dos Malês (1835). São Paulo: Brasiliense, 1987.
  • COSTA E SILVA, Alberto. Sobre a rebelião de 1835 na Bahia. Revista Brasileira, abr-mai-jun 2002, ano VIII, no. 31, Academia Brasileira de Letras.

Saiba mais

Abertura

  • “O negro de origem muçulmana”, Jean-Baptiste Debret, 1834-1839.

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: