Proclamada a República Popular da China

21 de setembro de 1949

2
compartilhamentos

Em 21 de setembro de 1949, o líder comunista chinês Mao Tsé-Tung (ou Mao Zedong) proclamou o estabelecimento da República Popular da China tendo ele na presidência do país e o seu companheiro, Xu-En-Lai, como primeiro ministro. A proclamação foi seguida por uma grande celebração na Praça da Paz Celestial, em Beijing, no dia 1º de outubro – data que se tornou o Dia Nacional do novo país.

Começava a chamada Era de Mao que governou o país até sua morte em 1976. Alinhado ao marxismo-leninismo, Mao desenvolveu ideias e estratégias militares e políticas que a imprensa ocidental chamou de maoismo.

Maoísmo

O pensamento de Mao está resumido no chamado Livro Vermelho onde estão, também, citações de Marx, Engels, Lenin e Stalin. Em linhas gerais , o maoísmo apresenta três características básicas:

a) Mobilização do campesinato como força revolucionária sob liderança do Partido Comunista (ao contrário do bolchevismo que tinha suas bases revolucionárias no proletariado urbano). Para isso, Mao rapidamente procedeu a ampla distribuição de terras aos camponeses ganhando, assim, sua adesão.

b) Insurreição armada como método de tomar o poder, organizada através da guerra de guerrilhas de base rural. Mao não acreditava que as transformações sociais pudessem ocorrer de forma pacífica ou evolutiva, mas através da luta de classes num confronto armado.

c) Caráter permanente do processo revolucionário (tal como pregava Marx, Lênin e Trotski que entendiam que a revolução socialista além de mundial, era perpétua). A revolução permanente era a única maneira de eliminar a oposição e evitar que a burguesia restaurasse o capitalismo.

d) Desenvolver uma consciência comunista revolucionária para mudar a ordem tradicional e criar uma nova sociedade chinesa. Essa ideia levou à decisão de Mao de proclamar a Revolução Cultural.

Primeiros anos da República Popular da China

Logo após assumir o poder, Mao viajou a Moscou buscando apoio financeiro de Stalin. Após negociações foi assinada o o Tratado de Amizade e Aliança Sino-Soviético. Os recursos obtidos na União Soviética possibilitaram ao governo chinês nacionalizar empresas particulares e estrangeiras e , implantar projetos de coletivização da agricultura e investir em indústrias siderúrgicas e grandes obras de infraestrutura.

Entre 1950 e 1952, Mao executou uma ampla reforma agrária, talvez a maior da história, através da qual milhões de hectares  foram entregues a 70 milhões de famílias (cerca de 300 milhões de pessoas).

Em 1958, Mao rompeu com a União Soviética e lançou a campanha do Grande Salto Adiante (1958-1961) com objetivo de transformar rapidamente o país de uma economia agrária em uma sociedade socialista.

Fonte

  • FAIRBANK, John King; GOLDMAN, Merle. China, uma nova história. Porto Alegre, RS: L&PM, 2006.
  • TSÉ-TUNG, Mao. O livro vermelho. São Paulo: Martin Claret, 2012.

Saiba mais

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: