Proclamada a Confederação do Equador

02 de julho de 1824

0
compartilhamentos

Em 2 de julho de 1824, foi proclamada a Confederação do Equador, em Recife, um movimento separatista e republicano que pretendia reunir as províncias de Pernambuco, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e, possivelmente, Piauí e Pará. Participavam do movimento proprietários de terra ligados à produção algodoeira, comerciantes do Recife e camadas populares urbanas.

O movimento foi uma violenta reação contra a política centralizadora e autoritária de D. Pedro I esboçada na dissolução da Assembleia Constituinte e na Constituição outorgada de 1824.

Contrariando o desejo de autonomia das províncias, a Constituição de 1824 preservava o centralismo, submetia as províncias ao poder do Rio de Janeiro, proibia as províncias de terem força armada própria e negava aos brasileiros terem preferência na ocupação de cargos públicos.

O resultado foi a eclosão do movimento que, no dia 2 de julho de 1824, proclamou a Confederação do Equador. Em tese, o novo Estado republicano seria formado pelas províncias do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Paraíba e Pernambuco. Contudo, nenhuma delas aderiu à revolta separatista, com a exceção de algumas vilas da Paraíba e do Ceará.

Os líderes – Manoel Pais de Andrade, frei Caneca, Padre Mororó, João Guilherme Ratcliff, João Metrovitch e José de Barros Lacerda – temendo a repressão de D. Pedro I, chegaram a enviar uma carta ao governo dos Estados Unidos, na qual, apelando para a doutrina Monroe, pediam uma esquadra em apoio à Confederação. Não foram atendidos.

O imperador preparou forças de terra e mar para atacar os confederados. O comando de 1.200 soldados foi entregue ao brigadeiro Francisco de Lima e Silva, e a esquadra ficou sob as ordens de dos mercenários lord Cochrane e John Taylor. Os focos rebeldes foram sitiados, centenas foram presos e 31 condenados à morte, sendo que 9 não foram executados porque conseguiram fugir. Foi a mais violenta repressão na história do império brasileiro.

Exército Imperial do Brasil ataca as forças confederadas no Recife, 1824.

Frei Caneca foi condenado à morte na forca. Levado para o alto do patíbulo, três carrascos sucessivamente se recusaram a executá-lo. Por isso, Francisco de Lima e Silva mandou fuzila-lo com tiros de arcabuz diante dos muros do forte das Cinco Pontas, no Recife (13 de janeiro de 1825). O corpo foi recolhido pelos carmelitas e sepultado em uma das catacumbas da ordem.

Padre Mororó, condenado à forca em Fortaleza e, assim como Frei Caneca, acabou sendo fuzilado no dia 30 de abril de 1825. Reza a tradição que Padre Mororó recusou usar venda nos olhos dizendo “eu quero ver como isto é” e, cruzando as mãos sobre o peito, gritou para os soldados “O alvo é este. Tiro certeiro que não me deixe sofrer muito”.

O luso-polonês João Guilherme Ratcliff teve um fim ainda mais macabro. Esse personagem participara da Revolução Liberal do Porto de 1820 e naquela oportunidade redigira o decreto de banimento da rainha Carlota Joaquina, que se recusara a prestar juramento à nova Constituição liberal. Com a reviravolta na política portuguesa, em 1823, Ratcliff fugiu do país e chegou a Pernambuco onde se engajou na Confederação do Equador. Preso, foi enforcado (17 de março de 1825) e sua cabeça cortada que, segundo a tradição, teria sido salgada e enviada, dentro de uma caixa de veludo vermelho, como presente para Carlota Joaquina, em Portugal, para que a rainha se sentisse vingada.

Fonte

  • LIMA SOBRINHO, Barbosa. Pernambuco: da independência à Confederação do Equador. Recife: Conselho Estadual de Cultura, 1979.
  •  CANECA, Frei Joaquim do Amor Divino (1779-1825). Org. e introd. de Evaldo Cabral de Mello. 2001. (Coleção Formadores do Brasil).
  •  LIMA, Kelly Cristina Azevedo de. Frei Caneca: entre a liberdade dos antigos e a liberdade dos modernos. CAOS Revista Eletrônica de Ciências Sociais, UFPB, n. 12, set 2008.
  • BRANDÃO, Ulisses. A confederação do Equador. Recife: Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, 1924.
  • Centenário da Confederação do Equador. Revistas do Instituto do Ceará, tomo especial, edição de 1924.

Saiba Mais

Abertura

  • Bandeira da Confederação do Equador

 

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: