Joana d’Arc queimada viva em Rouen, França

30 de maio de 1431

0
compartilhamentos

Em 30 de maio de 1431, Joana d’Arc foi queimada viva em Rouen, após um julgamento manipulado pelos ingleses que queriam a todo custo acusá-la de heresia e feitiçaria. O alvo era o rei Carlos VII, da França, com quem estavam em guerra e que pretendiam desacreditar e abalar a moral das tropas francesas.

Inglaterra e França travavam, então, a chamada Guerra dos Cem Anos (1337 e 1453) motivada por disputas territoriais e comerciais entre os dois reinos. Por volta de 1420, as tropas inglesas ocupavam o norte da França incluindo Paris, e tinham o apoio dos condados de Borgonha e de Bordeaux, a leste e oeste no atual território francês. O Delfim (herdeiro real francês mas ainda não coroado) instalara-se em Chinon, no vale do Loire, de onde liderava a resistência francesa aos invasores. Mas suas chances de expulsar os ingleses pareciam remotas.

Inglaterra e França em 1420

Por volta de 1420, as tropas inglesas (área em vermelho) ocupavam o norte da França incluindo Paris e contavam com a aliança da Borgonha.

Joana d’Arc na corte francesa

Foi em Chinon que o Delfim recebeu, em fevereiro de 1429, uma camponesa mística e visionária, Joana d’Arc, de 16 anos de idade. Ela afirmava ter sido instruída pelo arcanjo São Miguel, por Santa Margarida e Santa Catarina para liderar um exército contra os ingleses e libertar a França.

A jovem convenceu o Delfim que lhe entregou o comando de 5.000 homens e a missão de derrubar o Cerco de Orleans feito pelos ingleses. Em apenas nove dias de combate, Joana d’Arc libertou a praça forte de Orleans (maio de 1429). Foi a primeira vitória francesa depois da esmagadora derrota esmagadora de Agincourt, de 1415.

Semanas depois, o exército de Joana d’Arc conquistou Reims, no norte do país, onde o Delfim foi coroado, na Catedral (junho de 1429) recebendo o nome de Carlos VII. As vitórias e a coroação do rei elevaram a moral da população francesa que passou a acreditar que a Guerra dos Cem Anos virava a seu favor.

O exército de Joana d’Arc

A liderança militar de Joana d’Arc tinha uma motivação completamente diferente dos exércitos feudais. Estes lutavam por seu senhor e seu feudo enquanto os soldados de Joana d’Arc lutavam pela França e seu rei. Era um exército nacional. A ideia de nação, incomum na época, começava a germinar.

Havia, contudo, um ponto desfavorável para Joana: a mentalidade medieval. Como aceitar a liderança militar de uma mulher e camponesa? Guerra era assunto de homens e nobres. Daí que, no primeiro deslize, na primeira derrota, a reputação de Joana d’Arc despencou. Isso aconteceu no fracassado Cerco de Paris (setembro de 1429).

O objetivo era retomar a cidade que estava em mãos de um exército anglo-burgúndio (franceses da Borgonha que apoiavam os ingleses). Os franceses falharam, Joana foi ferida por um dardo e o rei Carlos VII ordenou que suas tropas se retirassem.

Prisão e condenação

A derrota de Paris abalou a popularidade de Joana entre a nobreza francesa. Em 23 de maio de 1430, ela foi capturada pelos burgúndios que venderam a cobiçada refém para os ingleses. Estes a entregaram para ser julgada pelo Tribunal da Igreja presidido por Pierre Cauchon, teólogo da Universidade de Paris, com cerca de 60 anos. Pelos serviços prestados aos ingleses, ele recebeu o bispado de Lisieux.

Pierre Cauchon convidou o dominicano Jean Le Maître, inquisidor na França além de outros bispos e cardeais, todos inimigos de Carlos VII. O processo se orientou para “provar” que Joana d’Arc era herege e bruxa. Se culpada, Carlos VII poderia ser acusado de recorrer aos serviços de uma bruxa e de usar os poderes maléficos da magia negra.

Joana foi mantida presa na fortaleza de Rouen em uma torre reservada para ela. Era vigiada dia e noite por cinco guardas.

Entre fevereiro e março 1431, os religiosos interrogaram-na diariamente, extraindo detalhes mínimos que pudessem incriminá-la. Ao final, apontaram 12 acusações contra Joana d’Arc, que Twain sintetiza:

“Joana foi chamada de bruxa, de falsa profetisa, de conjuradora de espíritos, de mistificadora, ignorante dos preceitos católicos, de contestadora da fé, de sacrílega, de idólatra, de renegada, de blasfêmia contra Deus e contra os santos, escandalosa, sediciosa, perturbadora da ordem pública; foi acusada de incitar à violência e ao derramamento de sangue, de renegar a natureza de seu próprio sexo, vestindo-se como homem de maneira irreverente e assumindo a vocação de soldado; de enganar os poderosos e os humildes; de usurpar honrarias e de se fazer adorar, oferecendo as mãos e as vestes para que fossem beijadas.” (TWAIN: 2001, p. 395.)

Joana foi considerada culpada por unanimidade por 42 juízes e sentenciada à pena de morte na fogueira em praça pública.

Na pira havia um poste com a seguinte inscrição, em grandes letras: “Joana, que se fez conhecer por Donzela, mentirosa, perniciosa, abusadora do povo, advinha, supersticiosa, blasfemadora de Deus, presunçosa, malcrente na fé de Jesus Cristo, jactanciosa, idólatra, cruel, dissoluta, invocadora de diabos, reincidente, apóstata, cismática e herética.”

Vestida com um manto de enxofre para fazê-la queimar mais rápido, a jovem foi levada para a pira. A estaca era muito alta e o carrasco não conseguiu estrangulá-la o que poderia ter poupado seu sofrimento.

Joana foi executada em 30 de maio de 1431, aos 19 anos de idade. Suas cinzas foram lançadas no rio Sena.

Sua morte, contudo, a elevou aos status de mártir e fez aumentar o fervor patriótico francês contra os ingleses.

Fonte

  • MICHELET, Jules. Joana D’Arc. São Paulo: Imaginário/Polis, 1995.
  • PERNOUD, Régine. Joana D’Arc, a mulher forte. São Paulo: Paulinas, 1996. (Coleção Testemunhas).
  • BAIGENT, Michael; LEIGH, Richard. A Inquisição. Rio de Janeiro: Imago, 2001.
  • BATISTA NETO, Jônatas; ALMEIDA BATISTA, José Alberto. Joana D’Arc. São Paulo:
  • Moderna, 1995.
  • TWAIN, Mark. Joana D’Arc. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Documentos primários

Abertura

  • Joana d’Arc na fogueira, pintura do século XIX.

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: