Gutenberg lega a imprensa à humanidade

03 de fevereiro de 1468

0
compartilhamentos

Em 3 de fevereiro de 1468, falecia Johannes Gutenberg, em Mainz, Alemanha, aos 68 ou 70 anos de idade (desconhece-se a data de seu nascimento). A ele se deve o desenvolvimento, na década de 1430, da imprensa, isto é, a máquina de impressão tipográfica – invento considerado o mais importante do segundo milênio.

Até então, os livros eram inteiramente manuscritos e produzido um a um. Os copistas usavam caneta de pena para escrever em folhas de pergaminho ou papel, a partir de um original, enquanto os iluminadores decoravam as páginas com miniaturas pintadas com cores brilhantes. Os livros eram adquiridos por burgueses e nobres que podiam pagar os manuscritos, como eram chamados esses livros.

Na época de Gutenberg, contudo, a cópia manuscrita já não era mais capaz de atender às necessidades de leitura e aprendizado de um número crescente de estudantes das universidades europeias. Era preciso criar um processo mais rápido e barato.

A história da impressão sobre papel remonta ao século II, na China. Os chineses já fabricavam papel, tinta e usavam placas de mármore com o texto entalhado como matriz. Quatro séculos depois, o mármore foi substituído por blocos de madeira, material mais fácil de ser entalhado. O processo de impressão era semelhante a um carimbo: texto ou imagem era entalhado em uma superfície de madeira que recebia a tinta; em seguida, uma folha de papel era pressionada sobre a peça para fixar o texto ou a imagem. Os primeiros textos impressos eram orações budistas. O primeiro livro propriamente dito apareceu na China em 868. Por alguma razão ignorada o invento não prosperou e desapareceu junto com seu inventor.

Gutenberg, um ourives e gravador de madeira, teve a ideia de fazer o mesmo com letras esculpidas em alto relevo. Usando tipos móveis, o texto era montado em uma fôrma, letra por letra, compondo assim, uma página escrita. O passo seguinte foi inventar a prensa, a máquina de impressão tipográfica por processo mecânico. Com ela pode-se, então, imprimir quantas cópias fossem necessárias, com um baixo custo (custava apenas a composição inicial).

Com seu parceiro Johann Fust, Gutenber fundou uma oficina tipográfica em Mainz, Alemanha. Em 1455 ele terminou a impressão da Bíblia “quarenta e duas linhas”, chamada “Bíblia de Gutenberg” – o primeiro livro impresso, com 180 cópias (150 em papel e 30 em pergaminho).

Desconhece-se, contudo, a sua data da publicação. A Bíblia de Gutenberg saiu sem data nem local ou nome dos impressores. Uma carta de Enea Silvio Piccolomini (futuro Papa Pio II), datada de 12 de março de 1455, relata sua visita a Mainz durante a qual conheceu um “homem extraordinário” que lhe apresentou as páginas da Bíblia compostas no mais puro e preciso padrão. Relatou ainda que as Bíblias já haviam sido vendidas antes da sua conclusão.

Bíblia de Gutenberg

Página do Gênesis da Bíblia 42 linhas de Gutenberg, 1455

O sucesso do livro impresso foi imediato e logo surgiram tipografias em grandes cidades europeias: Veneza, Paris, Lyon, Antuérpia etc.

As consequências da impressão são imensas. Em primeiro lugar, no modo de ler e escrever: no texto impresso, as palavras estão separadas de forma uniforme, a pontuação e a ortografia são melhor cuidadas, e a página é arejada com espaços que descansam o olhar o leitor.

O livro impresso reduziu consideravelmente o preço, e tornou a leitura acessível a maior número de pessoas. Teve ainda um papel fundamental na difusão do Humanismo, da Reforma Religiosa e da Revolução Científica do século XVII.

Saiba Mais

Abertura

Oficina tipográfica na Alemanha mostrando uma prensa e muitas atividades envolvidas no processo de impressão, século XVI.

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: