Resultados

Incêndio do Reichstag: o pretexto para o nazismo agarrar-se ao poder

11 de fevereiro de 2019

0
compartilhamentos

Na noite de 27 de fevereiro de 1933, em Berlim, a polícia foi alertada sobre o início de incêndio no palácio do Reichstag, o prédio do parlamento alemão.

Enquanto o fogo queima o prédio, a polícia prende um jovem sem camisa, perambulando no interior do edifício. Era o pedreiro holandês, Marinus van der Lubbe, de 24 anos, desempregado, aparentemente desequilibrado e que tinha chegado recentemente à Alemanha e se filiado ao movimento comunista.

Marinus van der Lubbe foi considerado responsável pelo incêndio e executado por decapitação na guilhotina em 10 de janeiro de 1934. Sua participação no incêndio, contudo, nunca foi plenamente comprovada pela historiografia contemporânea. Discute-se se ele foi culpado de fato ou se foi forçado a se responsabilizar, se agiu sozinho ou se os próprios nazistas estavam envolvidos no ato criminoso.

Julgamento de Marinus van der Lubbe

Julgamento de Marinus van der Lubbe, considerado culpado pelo incêndio e executado na guilhotina em 10 de janeiro de 1934.

Alguns historiadores acreditam que o incêndio foi realizado por um destacamento das Tropas de Assalto (SA), milícia paramilitar nazista, que usou uma passagem subterrânea que ligava a casa do chefe nazista Hermann Göring ao Reichstag para levar produtos altamente inflamáveis. A presença de Van der Lubbe no local teria sido uma coincidência e serviu de bode expiatório aos nazistas.

A responsabilidade pelo incêndio do Reichstag permanece um tema inconcluso, aberto para investigação. Seja como for, Hitler aproveitou habilmente o drama para promover e fortalecer seu governo.

 O decreto de emergência

Faziam quatro semanas que Adolf Hitler tinha sido empossado como chanceler da Alemanha. Mas não estava sozinho no poder: no parlamento, ele contava com adversários, especialmente do Partido Comunista, e devia lidar com as Dietas (assembleias legislativas) dos diversos estados que compunham a República alemã.

O incêndio do Reichstag, contudo, lhe forneceu um bom pretexto para se livrar dos opositores. No dia seguinte, 28 de fevereiro, Hitler atribuiu o fogo a um suposto complô comunista e, com isso, convenceu o presidente Paul von Hindenburg a aprovar um decreto de emergência “para proteção do povo e do Estado”. O decreto suspendia a maioria das liberdades civis incluindo o habeas corpus, a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa, o direito de livre associação e reunião pública, o sigilo do correio e do telefone. Era o fim da democracia. Esses direitos não foram mais restabelecidos durante o governo nazista.

O decreto também conferia a Hitler poderes excepcionais para ordenar a “perseguição implacável” aos comunistas. Enquanto isso, os jornais divulgavam notícias alarmantes sobre a “conspiração comunista” para tomar o poder da Alemanha espalhando o medo na população e isolando ainda mais os opositores de Hitler.

Foi nesse clima que se realizaram as eleições para o Parlamento.

As eleições de 5 de março de 1933

Em janeiro de 1933, os nazistas detinham apenas 32% dos assentos no parlamento, e os comunistas, 17%. Com o impedimento dos comunistas de participarem das eleições e a população assustada com a segurança nacional, os nazistas conseguiram aumentar a sua quota de votos para 44%.

Somando os 8% obtidos de seus aliados do Partido Nacional do Povo Alemão, partido nacionalista e conservador, os nazistas tinham a maioria de 52% do Reichstag. Porém, ainda era insuficiente para Hitler modificar a Constituição em seu favor: precisava de uma maioria de dois terços.

Havia, contudo, fatores que favoreciam os nazistas: a contínua perseguição aos comunistas (ao final foram presos 4.000 integrantes do Partido Comunista Alemão), a intimidação e detenção de deputados do Partido Social Democrata (o único que fazia frente ao autoritarismo de Hitler) e a capacidade dos nazistas de usarem a seu favor as preocupações populares com a segurança nacional.

Campo de concentração de Dachau

Comunistas e suspeitos foram enviados para o campo de concentração de Dachau. Inaugurado em 23 de março de 1933, foi o primeiro de série de campos de concentração.

Hitler obteve, ainda, o apoio de pequenos partidos de classe média, como o Partido Popular Nacional e o Partido do Centro cujo líder convenceu seus membros de que o chanceler podia ser controlado pelo poder de veto do presidente Hindenburg.

Com isso, Hitler obteve a maioria necessária de dois terços que lhe garantiu a aprovação do direito de governar por decreto, isto é, sem o consentimento dos deputados. A medida aprovada em 23 de março de 1933, entrou em vigor em 27 de março e tornou Hitler ditador da Alemanha.

No dia 31 de março, fazendo uso de seus plenos poderes, Hitler dissolveu as Dietas (assembleias legislativas) com exceção da Prússia. A Alemanha tornava-se, então, um Estado centralizado e autocrático.

Ações antissemitas e a queima de livros

Ao mesmo tempo, o regime apertou as fileiras dos seus apoiadores. Para provar sua lealdade ao nazismo, multiplicam-se as ações antissemitas: boicote e saque ao comércio e aos profissionais judeus (lojas, bancos, hotéis, escritórios de advogados, consultórios médicos etc), expulsão pela força de professores judeus ou daqueles considerados hostis ao governo etc.

O destaque da campanha foi o Bücherverbrennung, o ritual de queima de livros “nocivos”, ocorrido na noite de 10 de maio de 1933, na famosa avenida Unter den Linden, em Berlim. Outras queimas ocorreram nas semanas seguintes, em outras cidades como Munique, sempre com a presença de multidões, polícia, bombeiros e autoridades. As queimas tinham dia e hora marcadas, eram abertas com discursos inflamados e acompanhadas de bandas de música reforçando seu caráter ritualístico de propaganda do regime nazista.

Queima de livros

Queima de livros em Berlim, 10 de maio de 1933.

Bibliotecas e livrarias foram saqueadas e milhares de livros removidos. Tudo o que fosse crítico ou desviasse dos padrões impostos pelo regime nazista foi destruído. A ação contou com forte colaboração da União Nacional dos Estudantes Alemães. Centenas de milhares de livros foram queimados no auge de uma campanha iniciada pelo diretório nacional de estudantes.

Entre os livros queimados pelos Nazistas, contavam-se obras de autores falecidos e contemporâneos perseguidos pelo regime, muitos deles já tendo emigrado. Na lista, estavam, entre outros: Thomas Mann, Walter Benjamin, Bertolt Brecht, Erich Maria Remarque, Sigmund Freud, Albert Einstein e Karl Marx.

A opinião pública e a intelectualidade alemãs ofereceram pouca resistência à queima, minimizando os atos como resultado do “fanatismo estudantil”. A campanha recebeu, inclusive, apoio de reitores e professores.

Hitler proclama o III Reich

Em 2 de agosto de 1934, faleceu o velho presidente da República da Alemanha, o marechal Paul von Hindenburg, aos 86 anos. No último ano, desde que nomeara Hitler chanceler, Hindenburg passou a ser uma simples figura decorativa no governo germânico.

Hitler aproveitou seu falecimento para reunir em si as funções de presidente e chanceler. Ele proclamou o advento de um “Terceiro Reich” alemão, do qual ele se apresentava como o Führer (guia, em alemão), com poder ditatorial.

Foi o ponto culminante da visão nazista de Estado: “Ein Volk, ein Reich, ein Fuhrer” (um Povo, um Estado, um Guia). Entretanto, a fórmula do “Terceiro Reich” nunca teve um caráter oficial. Até o final do regime nazista, oficialmente foram mantidas as instituições da República de Weimar.

Fonte

  • KOONZ, Claudia. The Nazi Conscience. Belknap Press of Harvard Univ., 2003
  • KERSHAW, Ian. Hitler. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
  • PRITCHARD, R. John. O incêndio do Reichstag. V. 6. Ed. Renes, 1976. (Coleção História Ilustrada da Segunda Guerra Mundial).

Documento extra

O jornal O Homem Livre dedicou um número inteiro para comentar o incêndio do Reichstag e alertar seus eleitores sobre a presença do fascismo no Brasil (n. 16, 9/10/1933). O jornal foi fundado em março de 1933, na cidade de São Paulo, por um grupo de intelectuais antifascistas, entre os quais os jornalistas e militantes políticos Benedito Geraldo Ferraz Gonçalves e Mário Pedrosa.  O periódico se tornou o principal órgão da Frente Única Antifascista (FUA) para combater o fascismo no Brasil representado pela Ação Integralista Brasileira, de Plínio Salgado.

Para fazer o download do jornal “O Homem Livre” inscreva-se abaixo.

Saiba mais

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: