Resultados

Estandarte de Ur: a história em imagens (vídeo).

9 de dezembro de 2014

229
compartilhamentos

O Estandarte de Ur, uma placa de madeira com figuras incrustadas, foi descoberto nas escavações do cemitério real de Ur, antiga cidade no sul do atual Iraque. Ainda se desconhece qual seria a função original desse objeto datado de 2600 a.C. Ele faz parte de um precioso achado arqueológico pertencente aos sumerianos, que formaram a primeira civilização da Mesopotâmia.

Os sumerianos

Por volta de 3500 a.C., os sumerianos constituíram uma das primeiras civilizações da História, às margens do rio Eufrates, na Mesopotâmia. Fundaram cidades como Lagash, Uruk e Ur onde construíram diques e templos em forma de pirâmide escalonada, o zigurate.

Os sumerianos foram também os primeiros astrônomos e criaram um calendário de 12 meses que usamos atualmente. Acredita-se que tenham sido eles os inventores da escrita cuneiforme, usada por toda Mesopotâmia e povos vizinhos.

As escavações no Cemitério Real de Ur

As escavações arqueológicas em Ur realizadas entre 1922 e 1934 pela Universidade da Pensilvânia, dos Estados Unidos e Museu Britânico, da Inglaterra trouxeram à luz 16 túmulos reais com os restos mortais de reis, rainhas e servos acompanhados de numerosos artefatos preciosos datados de 2600 a 2450 a.C.

São móveis, joias, armas, capacetes de ouro, instrumentos musicais, estatuetas de ouro com figuras mitológicas entre tantas outras peças fabulosas revelando que os reis sumerianos acumularam grande riqueza.  Estes objetos fazem parte do acervo de Antiguidades Orientais do Museu Britânico.

Entre as riquezas descobertas estava um magnífico painel de mosaico datado de 2600 a.C., encontrado no túmulo PG 779, que ganhou o nome de Padrão ou Estandarte de Ur. Veja o vídeo.

Estandarte de Ur – vídeo

A descoberta do Estandarte de Ur

O Estandarte de Ur foi encontrado ao lado do esqueleto de um homem sacrificado que pode ter sido seu portador. Por esse motivo, foi interpretado pelo arqueólogo Leonard Wooley como uma bandeira que seria conduzida em um cortejo, originando daí seu nome popular. Investigações posteriores, contudo, não conseguiram confirmar se era, de fato, um estandarte.

O estandarte estava em pedaços. O quadro de madeira tinha se desintegrado assim como  a cola de betume que cimentou os pequenos mosaicos de cerca de 3 cm2. As peças do mosaico, contudo tinham mantido sua forma no chão. Leonard Wooley instruiu seus auxiliares a cobrirem a área com cera e gesso que, quando endurecido permitiu que os mosaicos fossem levantados mantendo seu formato original.

Face com cenas de guerra.

Estandarte de Ur, face com cenas de guerra.

O Estandarte de Ur: descrição

O artefato, associado ao rei Ur-Pabilsag que morreu por volta de 2550 a.C., é uma peça de madeira, de forma trapezoidal e relativamente pequeno, medindo 50 cm de comprimento, 21 cm de altura e 11 cm de lateral.

Suas quatro faces são inteiramente recobertas com pequenas peças de conchas e pedras semipreciosas coladas com betume. O lápis-lazúli, de azul intenso, o calcáreo vermelho e o ouro eram materiais inexistentes na Mesopotâmia e vinham de locais distantes, comercializados com os povos do vale do Indo, onde, naquela época, florescia as civilizações de Harappa e Mohenjo-Daro.

As figuras dispostas nos frisos, de cada lado, contam uma história que foi tradicionalmente interpretada como a guerra, de um lado, e a vitória ou paz, do outro lado.

A guerra

Uma das faces do Estandarte de Ur mostra cenas de guerra. Além dos carros de combate pisoteando o inimigo, vemos grupos de soldados usando um elmo, com uma capa sobre a túnica e armados com uma espada curta.

Os inimigos capturados perdiam seus bens, eram escravizados e seus chefes, executados. Os prisioneiros de guerra eram conduzidos até a presença do rei.

O rei, a figura de maior tamanho, está no centro e na parte superior do estandarte, junto ao seu carro de combate e seus generais que levam um bastão e um machado.

Soldados com elmo, Estandarte de Ur.

Soldados com elmo e espada, vestem uma túnica e capa, mas combatem a pé. Estandarte de Ur, 2600 a.C.

Inimigos presos Estandarte de Ur.

Inimigos presos (friso superior) e pisoteados pelos carros de combate (friso inferior). Estandarte de Ur, 2600 a.C.

Carro de guerra equipado com rodas

O carro de guerra traz uma das representações mais antigas do uso da roda em um veículo. Não se sabe qual civilização inventou a roda, mas estatuetas de terracota encontradas em Harappa e Mohenjo-Daro, no vale do Indo, Paquistão atual, mostram que as civilizações do Vale do Indo já usavam a roda em carros de boi em 3000 a.C. É possível que o comércio entre a Mesopotâmia e as cidades do vale do Indo tenha colocou os sumerianos em contado essa invenção.

Os sumerianos construíram rodas de madeira maciça, pesadas e pouco ágeis. Usadas no carro de guerra, seu peso somava-se ao do carro e dos condutores exigindo um grande esforço de tração dos quatro onagros, uma espécie nativa da Mesopotâmia semelhante ao jumento ou asno, e hoje extinta.

Mesmo sem velocidade e agilidade, o carro de guerra era uma boa plataforma para a pontaria certeira das lanças e flechas disparadas pelo arqueiro. Além disso, o carro de guerra devia impressionar o inimigo que combatia a pé e acabava pisoteado pelos animais.

Carro de guerra puxado por quatro onagros e levando dois homens.

Carro de guerra puxado por quatro onagros e levando dois homens.

Banquete da vitória

A outra face do Estandarte de Ur foi interpretada como sendo o banquete de celebração da vitória. O rei está sentado diante de seis figuras. São nobres, sacerdotes ou os chefes militares. Os servos, em tamanho menor, enchem as taças com cerveja, que os sumerianos faziam de cevada e consumiam em grande quantidade.

O saiote usado pelo rei é diferente dos trajes das demais figuras. Ele é feito de tufos de lã de ovelha, um traje distintivo do rei e dos nobres sumérios, e que aparece em numerosas estatuetas de alabastro encontradas nas cidades sumérias.

A cadeira do palácio tem uma particularidade curiosa: uma das pernas tem a forma de pata de animal.

Rei sentado e segurando taça no banquete da vitória.

Rei sentado e segurando taça no banquete da vitória.

No salão real, há música. Um tocador de lira acompanha a cantora, de cabeleira negra – a única figura com cabelo em todo estandarte. A lira é um instrumento de cordas, semelhante à harpa, mas de tamanho menor.

Esse instrumento deve ter sido comum entre os sumérios, como indica uma magnífica lira de 11 cordas encontrada nas escavações. Ela possui detalhes em ouro, lápis-lazúli e concha e traz a cabeça de um touro com barba.

Lira de 11 cordas, Estandarte de Ur.

Lira de 11 cordas encontrada nas escavações de Ur.

Músico tocando lira, Estandarte de Ur.

Músico tocando lira acompanha cantora.

Os outros dois frisos mostram o povo conduzindo animais e carregando sacos às costas. Um forte touro é levado preso pelos chifres, um rebanho de cabras lanudas e até uma gazela e seu filhote seguem neste cortejo. Seriam alimentos para abastecer a cozinha real durante os dias de celebração ou tributos e oferendas destinados ao rei e aos deuses?

Estandarte de Ur – vídeo produzido por Ensinar História

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ditinha Macedo
Ditinha Macedo
2 anos atrás

paraben aprendi muitacoisa

Joelza Ester
Joelza Ester
2 anos atrás
Reply to  Ditinha Macedo

Que bom!

Alice
Alice
1 ano atrás

Adorei … Mta informação nova para quem pesquisa a verdadeira história mundial….

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: