Resultados

Mecanismo de Anticítera: o computador mais antigo do mundo

28 de setembro de 2015

0
compartilhamentos

Construído na Grécia helenística, entre 87 e 100 a.C., o Mecanismo de Anticítera (ou Antikythera) é um sofisticado aparelho astronômico de incrível precisão. O artefato prova que a antiga astronomia e matemática gregas, herdeiras da longa tradição babilônica, eram bem mais avançadas do que até então se imaginava. Mas levou tempo para se chegar a essa conclusão. Descoberto em 1901, o mecanismo era um artefato misterioso e assim permaneceu por décadas. Foi necessário usar alta tecnologia para saber o que era e como funcionava. E essa revelação tem surpreendido os cientistas.

Mecanismo de Anticítera

Mecanismo de Anticítera, descoberto em 1901, manteve-se um mistério por meio século.

A função do aparelho

O Mecanismo de Anticítera foi usado para traçar o movimento dos planetas Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno (os únicos planetas conhecidos na época), os ciclos do sistema solar, e a posição e fases da lua. Servia também para prever eclipses e registrar eventos importantes no calendário grego, tais como os Jogos Olímpicos.

Os fenômenos astronômicos influenciavam todas as instituições sociais gregas. O Sol e a Lua eram a base dos calendários agrícolas, as estrelas orientavam os navegadores.

Nele estavam gravados ciclos astronômicos conhecidos pelos babilônios havia centenas de anos e que ajudavam a prever eclipses. Os eclipses eram presságios ruins e prevê-los era importante até para traçar estratégias políticas e militares. Neste sentido, pode-se dizer que um aparelho como o Mecanismo de Anticítera era um instrumento de poder e daí seu funcionamento ter sido mantido em sigilo por militares e políticos.

O mecanismo

O mecanismo do Anticítera

O mecanismo do aparelho.

O aparelho é composto por mostradores de bronze, 30 engrenagens separadas e 3 discos com inscrições em grego totalizando 2.160 caracteres. As peças de bronze e as rodas dentadas foram cortadas a mão com uma incrível precisão. Uma manivela manual impulsionava a calculadora, considerada como a mais antiga do mundo. Utilizava aritmética e trigonometria babilônica, em vez grega.

Foi descoberto em uma caixa retangular de madeira medindo 34 cm × 18cm × 9 cm, com duas portas e inscrições que explicavam sua utilização.

A frente mostrava o zodíaco grego e um calendário egípcio. Na parte de trás, trazia informações sobre ciclos lunares e eclipses.

Quem o construiu?

A construção desse aparelho foi atribuída a Arquimedes, um dos principais cientistas e inventores da Antiguidade. As inscrições sugerem que ele foi fabricado em Corinto ou em Siracusa, onde Arquimedes viveu. Mas a hipótese é contestada pois Arquimedes morreu em 212 a.C., muito antes da provável data de construção do aparelho.

A contestação, contudo, é rebatida por especialistas que afirmam que o mecanismo foi inteiramente construído sem qualquer sinal de modificação durante o processo de construção. Isso quer dizer que seu fabricante sabia o que estava fazendo baseando-se, talvez, em modelos construídos anteriormente.  Arquimedes poderia ter feito o primeiro Mecanismo de Anticítera que, posteriormente, foi copiado.

Localização da descoberta do mecanismo de Anticítera

O mecanismo foi encontrado a 43 metros de profundidade na costa da ilha grega de Antikythera (ou Anticítera) junto dos destroços de um navio romano naufragado por volta de 85-60 a.C.

A descoberta do Mecanismo de Anticítera

O mecanismo foi recuperado por mergulhadores, em 1901, juntamente com várias estátuas e outros objetos, a 43 metros de profundidade na costa da ilha grega de Antikythera (ou Anticítera). Estava junto dos destroços de um navio romano naufragado por volta de 85-60 a.C.

Quando foi descoberto, o artefato estava muito corroído e aos pedaços. Eram, ao todo, 80 fragmentos. Parecia um relógio, mas isso foi descartado pois os relógios mecânicos mais antigos conhecidos datam do século VIII da Era Cristã e foram inventados na China.

Pensou-se tratar-se de um instrumento de navegação, uma espécie de astrolábio. Durante décadas, o artefato permaneceu indecifrado. Era apenas uma curiosidade exposta coleção de bronze do Museu Arqueológico Nacional de Atenas.

Vídeo da History Channel sobre o Mecanismo de Anticítera:

Cientistas desvendam o mecanismo

Foi somente na segunda metade do século XX que se descobriu, afinal, para que servia esse objeto. Em 1956, o inglês Derek Price, físico e professor de História da Ciência na Universidade de Yale, Estados Unidos identificou várias funções astronômicas no aparelho. Supôs que deveria haver ponteiros que girassem para indicar as posições dos corpos celestes em períodos diferentes. Concluiu que a roda denteada maior representava o movimento do Sol e que uma volta correspondia a um ano solar, equivalente a 19 anos terrestres.

DerekdeSollaPrice

Derek Price e seu modelo do Mecanismo de Anticítera.

Continuou estudando o aparelho nos vinte anos seguintes, confirmando sua teoria de que o aparelho era um calculador astronômico altamente complexo.

Em 1996, o físico italiano Lucio Russi, da Universidade de Roma Tor Vergata, retomou os estudos sobre o mecanismo. Concluiu que o aparelho era ainda mais sofisticado do que Price imaginara. Tratava de um relógio astronômico que determinava as posições dos corpos celestes com extraordinária precisão.

Empresas do campo de computação interessaram-se pela pesquisa do então chamado “computador mais antigo do mundo”.  Em 2005, a Hewlett-Packard (HP) disponibilizou um tomógrafo digital que facilitou a leitura de textos, que haviam se tornado ininteligíveis devido à passagem do tempo.

Foi possível ter uma visão melhor do funcionamento do mecanismo. Quando a manivela era girada, as engrenagens de 30 rodas denteadas ativavam três mostradores nos dois lados do aparelho. Isso permitia prever ciclos astronômicos, incluindo eclipses, o ciclo de quatro anos dos Jogos Olímpicos e outros jogos pan-helênicos. Esses jogos eram comumente usados como base para a cronologia grega.

 A reconstituição do mecanismo

Desde 2005, uma equipe de investigação multidisciplinar vem estudando o mecanismo utilizando a mais alta tecnologia disponível. Foram construídos muitos modelos. Entre eles, uma réplica em miniatura, projetada pelo relojoeiro suíço Hublot, para servir de relógio de pulso.

Em 2010, Andrew Carol, engenheiro de software da Apple, construiu uma réplica do aparelho usando 1.500 blocos de Lego Technic, criando 110 engrenagens e quatro caixas de velocidades no total.

Vídeo sobre a réplica construída por Andrew Carol:

 

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback

[…] Especialistas acreditam que os relógios mecânicos europeus são descendentes da tecnologia do mecanismo de Antikythera. […]

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: