Resultados

Centenário da Revolução Russa, e a Rússia ignora a data

7 de novembro de 2017

1
compartilhamentos

Estudantes brasileiros sabem mais sobre a Revolução Russa de 1917 do que jovens russos. Nesse ano que a revolução russa comemora seu centenário, não houve nenhuma solenidade oficial. A TV estatal nada comentou, como já havia ignorado por ocasião do centenário da Revolução de Fevereiro, no início do ano. Em pesquisa recente da Academia de Ciências da Rússia, um terço da população foi incapaz de dizer o que sentia a respeito da revolução russa.

O historiador britânico Eric Hobsbawm dizia que a Revolução Russa tinha um caráter ecumênico. De fato, ela deu vida a partidos comunistas na Ásia, inspirou insurreições na América Latina e foi o fio condutor dos movimentos anticolonialistas africanos. Porém, em sua própria pátria reina o silêncio no centenário desse movimento revolucionário. Nesse ano, apenas historiadores e uma militância órfã relembram a data. O que aconteceu?

A matéria escrita pelo jornalista Cristiano Dias, que reproduzimos abaixo, dá pistas importantes para refletir sobre a historiografia da revolução.

Uma história sempre reescrita

Os comunistas assumiram o poder em 1917 e demonizaram o império. Depois Joseph Stalin resolveu ressuscitar a reputação de alguns czares e mandou executar revolucionários como Leon Trotski e Nikolai Bukharin.

Nikita Kruchev, que veio em seguida, descreveu seu antecessor como um genocida. Leonid Brejnev desfez a política de Kruchev, a quem acusava de autoritarismo. No apagar das luzes da União Soviética, Mikhail Gorbachev criticou Brejnev e Boris Yeltsin colocou a casa abaixo, mas sem propor nada de novo.

“Quando um governo tenta controlar a história, é por que pretende controlar o próprio povo”, diz Andrei Kolesnikov, pesquisador do Carnegie Moscow Center. “Isso é o que acontece na Rússia com a chamada ‘história de mil anos’ de Putin.”  Kulesnikov se refere à nova abordagem do Kremlin, que defende a ideia de continuidade: a história russa seria uma linha reta entre príncipes, czares, secretários-gerais e presidentes que sempre lutaram pela identidade nacional.

Assim, a população deve se orgulhar de fatos gloriosos, como a conquista da Crimeia, em 2014. Pelas ruas do país, até os mais moderados defendem a anexação e se referem ao leste da Ucrânia como “República Popular de Donetsk”. Os ucranianos refugiados da guerra são tratados como cidadãos russos –embora o governo não reconheça publicamente. “O problema dessa interpretação da história é que não dá para encontrar continuidade entre vítimas e carrascos”, afirma Alexei Sobchenko, analista independente que trabalhou para o Departamento de Estado dos EUA. “Isso faz a Revolução Russa ocupar um lugar inconveniente na narrativa oficial.”

A história ensinada nas escolas

O depoimento de uma professora do ensino médio mostra o desconforto que o tema causa na sala de aula. “Não ensinamos a Revolução Russa na escola. Fazemos isto de maneira extracurricular, com alguma atividade em museus”, disse.

A professora, que pediu para não ser identificada por medo de represálias do Estado, trabalha em uma escola pública de uma cidade nos arredores da capital. Ela conta que o dia 7 de novembro – data da revolução russa – sequer é mencionado nas aulas. “Agora, o dia nacional é o dia 4”, afirma. Em 4 de novembro de 1612, os russos libertaram o país do domínio polonês. Historicamente, o fato beira a insignificância em qualquer parte do mundo, mas foi o que os historiadores de Putin conseguiram encontrar para substituir um feriado pelo outro.

Nas grandes cidades, o ocaso da Revolução Russa é menos dramático, principalmente em escolas particulares. Denis Lanshchikov leciona no ensino médio de um colégio particular de Moscou. Segundo ele, há alguns anos, o governo russo tenta “esconder” o movimento revolucionário de 1917. “A diferença é que nós, que trabalhamos em escolas particulares, temos mais autonomia”, afirma. “Há uma diretriz básica. Mas, quando não concordamos, ensinamos o que achamos que é certo. A direção da escola faz um bom trabalho em esconder certas coisas do governo.

Revolução de Outubro, Revolução Bolchevique ou Revolução Vermelha

A chamada Revolução de Outubro, Revolução Bolchevique ou Revolução Vermelha teve início em 25 de outubro ou 7 de novembro de 1917. A diferença de datas deve-se ao fato da Rússia adotar na época o calendário juliano, atrasado 13 dias em relação ao gregoriano usado no ocidente.

O Neostalismo de Putin

A falta de padrão dá toques esquizofrênicos ao ensino de história na Rússia. Joseph Stalin, por exemplo, continua sendo o político mais popular do país. Segundo o instituto Levada, 40% dos russos tinham uma visão favorável do líder em dezembro do ano passado (2016). Em 1994, quando a pesquisa foi feita pela primeira vez, o índice era de apenas 18% – o aumento coincide com a chegada de Putin ao poder.

Por isso, muitos russos falam do nascimento de um neostalismo com Purtin. Em 2015, ele inaugurou um museu em Moscou para expor os horrores dos gulags, os campos de trabalho forçado que se espalharam sob a guarda de Stalin. Um lapso de bom-mocismo, segundo analistas e historiadores. “Na prática, o que se vê é outra coisa”, diz Andrei Kolesnikov.

Em dezembro de 2013, durante coletiva em Moscou, Putin defendeu Stalin. “Qual a diferença entre ele e Oliver Cromwell?”, questionou, comparando o russo com o arremeto de ditador que governou a Inglaterra por cinco anos no século XVII.

Em Moscou, estátuas de Stalin voltaram a aparecer em parques e praças. Muitos perderam o constrangimento e hoje elogiam o homem que tirou a União Soviética do calvário rural e a lançou ao espaço.

Vladimir Lenin? Nunca ouvi falar.

Na saída da escola, o garoto Genaddi que teve seu nome real omitido a pedido da mãe – de 14 anos, escuta atentamente a lista de personagens históricos desfiada pela reportagem. E reage só quando ouve o nome de Stalin. “Este eu conheço! É um herói que protegeu a União Soviética”, respondeu. Sobre a Revolução Russa, ele diz não se lembrar bem o que foi. “Lenin? Não, não o conheço.”

Fonte

  • DIAS, Cristiano. Vladimir Lenin? Nunca ouvi falar. O Estado de S. Paulo, 6 nov 2017, p. A13.

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauro Costa Assis
Mauro Costa Assis
2 anos atrás

Estamos cobrindo a Revolução de Outubro e suas conseqüências com nuances pouco características.
https://choldraboldra.blogspot.com.br/2017/11/a-revolucao-russa-aos-100.html

Andries Viljoen
Andries Viljoen
2 anos atrás

Onde encontrar o Livro Negro do Comunismo, de Stéphane Courtois? em livraria ou internet. Vale a pena pagar este preço, e, após lê-lo, leia a continuação “Cortar o Mal pela Raiz!: Historia e Memoria do Comunismo na Europa” (20,00). O autor escreveu a continuação pois houve muitas queixas de pessoas que sofreram com o comunismo e não viram o país retratado na obra. O livro foi um sucesso estrondoso na Europa. O autor deu palestras sobre ele em vários países da antiga Cortina de Ferro. Devido ao predomínio de esquerdista na grande imprensa houve pouca divulgação da obra. è leitura… Read more »

Joelza Ester
Joelza Ester
2 anos atrás

Olá Andries, o site “Estante Virtual” dispõe de alguns exemplares de “O livro negro do Comunismo” mas a um preço bem salgado, perto de R$ 500,00. Tem, também, “O livro negro do capitalismo”, mas a um preço menor. Obrigada pela leitura e participação!

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: