Quantos Anos Novos o ano tem? Réveillon no mundo

29 de dezembro de 2015

71
compartilhamentos

Para começar, do ponto de vista astronômico, não existe Ano Novo. Ano é o período de tempo que um planeta precisa para dar a volta completa em torno da estrela que orbita. No caso da Terra, esse período é de 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 14 segundos. E quem pode afirmar o ponto ou momento que começa o movimento de translação de 360o em torno do Sol?

Ano Novo é, portanto, uma convenção estabelecida por critérios (ou interesses) matemáticos, climáticos, religiosos, políticos, agrícolas ou outro qualquer.

Boa parte do mundo adotou o calendário gregoriano, estabelecido em 1582, que determina o Ano Novo no dia 1º de Janeiro. A Igreja Ortodoxa, contudo, que adota o calendário juliano, festeja o Ano Novo no dia 14 de janeiro.

Há ainda outros calendários em uso no mundo que marcam o Ano Novo em outras datas. Listamos a seguir 10 Anos Novos e suas datas de celebração para 2018, tendo por referência o nosso calendário.

No final, voltamos a falar do “nosso” Ano Novo, mas com uma surpresa: o próximo ano não será 2018!

1. Ano Novo chinês: 25 de janeiro de 2020, ano do Rato

O calendário oficial da China é o gregoriano, mas o tradicional, ainda desempenha um papel importante entre a população chinesa. É um dos mais antigos do mundo e suas origens remontam ao terceiro milênio a.C. com Huang Di ou Huang-Ti (2697-2597 a.C.), conhecido como Imperador Amarelo, um dos cinco imperadores lendários que teriam governado a China.

Huang Di é considerado o ancestral de todos os chineses da etnia Han, a que pertence a grande maioria da população da China. Além de introduzir o calendário em 2637 a.C., ele é o criador lendário da astrologia chinesa, do taoísmo, do feng shui e da medicina tradicional chinesa. Na Ásia diversos países adotam calendários parecidos com o chinês tradicional.

O calendário chinês é lunissolar, isto é, combina o ciclo solar com os ciclos lunares. A cada 12 anos completa-se um ciclo, dentro do qual cada ano recebe o nome de um dos 12 animais correspondentes ao horóscopo chinês: rato, boi, tigre, coelho, dragão, serpente, cavalo, carneiro, macaco, galo, cão e porco. Segundo a lenda, apenas esses animais teriam atendido ao chamado de Buda que, em agradecimento, os transformou em signos da astrologia chinesa.

Ano Novo chinês em Hong Kong.

Ano Novo chinês em Hong Kong.

Em 2020, o primeiro dia de Zhēngyuè (nome do primeiro mês do ano) ocorre em 25 de janeiro quando começa o ano chinês 4717, o Ano do Rato.

O significado do rato para os chineses é diferentes do ocidente, onde ele roedor não é bem-visto no ocidente. O rato é um animal inteligente, hábil, desbravador e procriador.

As pessoas sob influência do rato são sociáveis, gostam de estar entre amigos e de assumir posições de liderança. Para o rato, o importante é ter poder, influência e prestígio.

Pelo fato do rato ser o primeiro dos 12 animais que compõem o calendário chinês, ele é portador da prosperidade e dos começos.  Segundo as tradições chinesas, espera-se para 2020 a chegada de novas oportunidades, a concretização de objetivos e o crescimento profissional. É um bom ano para quem está planejando se casar, iniciar um projeto ou investir em algo, esse é um bom momento.

Rituais e tradições chinesas para o Ano Novo

  • Antes da celebração, é tradição limpar a casa para afastar os maus espíritos.
  • À meia-noite da virada, todos comem o guioza, um pastel típico.
  • Decore a casa com flores de ameixa (coragem e esperança) e narciso, que simboliza boa sorte e prosperidade.
  • Evite lavar o cabelo para não perder os bons fluídos do ano que se inicia.
  • No Ano Novo deve-se falar somente do futuro e não do passado, pois um novo ciclo está começando.
  • Atenção à linguagem, não fale palavrão ou expressões negativas.
  • Fique longe de facas ou tesouras, porque estas podem “cortar” os bons augúrios.

As festividades do Ano Novo chinês duram todo mês e incluem desfiles e fogos de artifício para afastar maus espíritos do ano anterior e saudar o ano que se inicia.

2. Ano Novo tibetano: Losar, 24 de fevereiro de 2020, ano do Rato

O Losar, o Ano-Novo do budismo tibetano, é a festa mais popular do calendário do Tibete, Nepal, Butão, Mongólia e dos budistas da Índia. Os festejos duram quinze dias, mas os três primeiros dias são ao mais importantes.

O calendário tibetano é lunissolar, composto por 12 (ou 13) meses lunares, cada um começando e terminando com uma Lua Nova. É um calendário quase idêntico ao chinês, podendo o Losar coincidir com o Ano Novo chinês. Contudo, as tradições do Losar são exclusivas do Tibete, e anteriores ao budismo e às influências chinesas e mesmo indianas.

Comemoração do Losar no Tibete.

Comemoração do Losar no Tibete.

Os festejos do Losar incluem orações, oferendas, música, danças e a consulta, pelo Dalai Lama, ao oráculo de Nechung para prever o futuro, pedir a proteção ou a cura física e espiritual.

Em 2018, o Losar se inicia no dia 24de fevereiro quando começa o ano 2.146 regido pelo Rato, gênero masculino e metal conforme a astrologia tibetana que, para cada ano, traz uma combinação de animal, gênero e elemento.

Para saber sobre o calendário budista tibetano: veja aqui.

3. Ano Novo Baha’i: Naw-Rúz, 21 de março de 2020

Bahá’i é uma palavra derivada árabe, Bahá, e significa “glória” ou esplendor. A fé Bahá’í ou bahaísmo é uma religião monoteísta fundada no século XIX pelo nobre Bahá’u’lláh (1817-1892), na Pérsia, que enfatiza a união espiritual de toda a humanidade. Baseia-se em três princípios: unidade de Deus, há apenas um Deus, fonte de toda criação; unidade de religião, todas as maiores religiões têm a mesma fonte espiritual e partem do mesmo Deus; unidade da humanidade, todos seres humanos foram criados igualmente e a diversidade racial e cultural deve ser apreciada e aceita.

Templo Baha'í em Willmette, Illinois, EUA.

Templo Baha’í em Willmette, Illinois, EUA.

Há mais de 7,3 milhões de bahá’ís espalhados em 218 países e territórios (Almanaque Abril 2012). As maiores concentrações estão na Ásia (Irã, Azerbaijão, Afeganistão, Turquia, Índia), seguida pela África e América Latina. No Brasil, o bahaísmo começou a se difundir em 1940 em Salvador, Bahia e, atualmente, tem 60 mil seguidores em 1300 municípios em todo país.

O calendário bahá’i, instituído em 1844, é um calendário solar com 365 dias agrupados em 19 meses (com nomes de atributos de Deus: esplendor, conhecimento, beleza, etc) de 19 dias cada, adicionados de 4 “dias intercalares” (5 dias, quando é ano bissexto), entre o 18º e o 19º mês (26 de fevereiro a 1 de março).

O Ano Novo do bahaísmo, chamado Naw Rúz, ocorre no equinócio de inverno, entre os dias 20, 21 e 22 de março. Atualmente ele é fixado no dia 21 de março para os Bahá’ís que residem em países fora do Oriente Médio, independentemente de quando ocorre o equinócio. É um evento festivo celebrado com orações, música e dança. Em 21 de março de 2020, inicia-se o ano 177 dos bahá’is.

Sobre a comunidade Bahá’i no Brasil: veja o site oficial.

4. Ano Novo hindu: Gudhi-Padwa, 25 de março de 2020

Em 1957, o governo da Índia adotou um calendário nacional que unificava outros 30 existentes no país, usados para determinar festas religiosas hinduístas, budistas, jainistas, islâmicas. Embora coincida com o gregoriano na contagem de dias e nos anos bissextos, o calendário nacional ou hindu, conta os anos a partir da Era Saka, que começa seu ano 0 no ano 78 da Era Cristã. Daí ele ser chamado, também, de calendário Saka.

Para os festivais religiosos é usado um calendário lunissolar. Nesse caso, os meses lunares são contados a partir da lua nova e ganham o mesmo nome do mês solar em curso.

Segundo o hinduísmo, Brahma criou o mundo depois do dilúvio e, a partir desse dia, começou a marcar o tempo. Diz a lenda que Vishnu, sob o avatar do peixe Matsya, salvou a terra da destruição (veja artigo Dilúvios Mitológicos).

O Ano Novo hindu é chamado Gudhi-Padwa na cultura Marathi ou Marata, grupo étnico indo-ariana formado por 90 milhões de pessoas que habitam a região de Maharashtra e estados da Índia ocidental.

Gudhi- Padwa em Maharashtra, Índia, 2014.

Comemoração do Gudhi- Padwa no estado de Maharashtra, Índia, 2014.

O momento mais importante dos festejos de Gudhi-Padwa é o erguimento do Gudhi, a bandeira da vitória. Trata-se de uma vara de bambu na qual é amarrada uma seda verde ou amarelo brilhante, e com um pote de metal na ponta, decorado com folhas de manga e flores de calêndula. O Gudhi é erguido fora da casa, do lado direito da porta principal, em uma janela, varanda ou local alto para que todos possam vê-lo. O Gudhi tem vários significados: simboliza a criação do mundo, a vitória de Rama (sétimo avatar de Vishnu), afasta o mal e atrai a sorte e a prosperidade para a casa.

Publicidade

Em 2020, o Gudhi-Padwa ocorre dia 25 de março. Mas não é o único Ano Novo hindu. Em 14 de abril, acontece o Puthandu, o Ano Novo tâmil celebrado no Sri Lanka, Malásia, Singapura, ilhas Maurício. Em 14 de abril, também, Bengala celebra seu Ano Novo, chamado Pohela Boishakh.

Há ainda quem considere o festival das luzes, chamado Diwali, como Ano Novo. São quatro dias de festas em que se acendem velas, luzes e incensos para a celebrar a vida, o amor e a vitória do bem sobre o mal. É o maior feriado indiano e uma importante festa religiosa para o hinduísmo, o sikhismo, o budismo e o jainismo. Em 2020, o Diwali começa no dia 14 de novembro e continua até o dia 18.

Para saber mais sobre festas religiosas hindus: veja aqui.

5. Ano Novo Iorubá: 3 de junho de 2020

O calendário tradicional iorubá, chamado Kojoda, baseia-se nos ciclos lunares e no número 4 associado aos quatro elementos (terra, água, ar e fogo), quatro pontos cardeais e aos solstícios e equinócios. Assim, a semana iorubá tem 4 dias, cada um deles dedicado a um orixá: Obatalá, Orumilá (Exu e Oxum), Ogum (Oxóssi) e Xangô. O ano é formado por 91 semanas ou 52 meses, cada mês com 28 dias ou 7 semanas (de 4 dias).

Para conciliar com o calendário gregoriano, o povo iorubá também mede o tempo em sete dias por semana e quatro semanas por mês. A semana de sete dias é usada na vida civil e para fazer negócios e, assim como o calendário religioso, cada dia é dedicado a um orixá.

O Ano Novo iorubá acontece no dia 3 de junho, mês das colheitas, e o ano se encerra em 2 de junho do ano seguinte. O ano gregoriano de 2020 corresponde ao ano iorubano de 10.062.

Sobre o calendário iorubá, veja aqui.

Festival iorubá Eyo, em Lagos, na Nigéria.

Festival iorubá Eyo, em Lagos, na Nigéria.

6. Ano Novo etíope: Enkutatash, 11 de setembro de 2020

O calendário da Etiópia baseia-se na cronologia criada pelo monge Annianus de Alexandria no início do séc. V. Segundo ele, a história começou em 25 de março de 5492 a.C., data da criação do homem por Deus. Já a Era Cristã, começou com a Anunciação do anjo à Maria, em 25 de Março de 8 d.C. – o que faz com que a cronologia etíope tenha sete a oito anos menos do que a cronologia gregoriana.

O Ano Novo etíope, chamado Enkutatash, começa na primavera, no dia 11 de Meskerem, nome do mês de setembro. No próximo Enkutatash (11 de setembro de 2020), os etíopes festejarão a chegada de 2013. Esse calendário é seguido pelas igrejas ortodoxas etíopes, copta (Egito) e católicas orientais.

Enkutatask, o Ano Novo etíope.

Enkutatask, o Ano Novo etíope.

A celebração do Ano Novo é um evento importante na vida etíope. Por três dias os sons dos salmos, sermões, orações e hinos podem ser ouvidos nas igrejas e em procissões coloridas de boas-vindas ao Ano Novo. Tochas de fogo são acessas em frente das casas tocando-as no chão para espantar o ano velho e seus velhos espíritos e saudar o novo. Uma ceia familiar, após o culto na igreja, completa os festejos.

Em 2014, o Olodum, bloco afro de carnaval da Bahia, comemorou a virada de ano da Etiópia. Veja notícia aqui.

7. Ano Novo judaico: Rosh Hashaná, 18 de setembro de 2020

Tishrei é o nome do primeiro mês do calendário judaico, no qual se comemora o Rosh Hashaná, o Ano Novo judaico. A data é determinada pelas fases da Lua e é festejada durante dois dias com uma farta refeição. Costuma-se comer, na noite de Rosh Hashaná tâmaras, romãs, abóbora, pedaços de maçã com mel para atrair um ano doce, alegre e próspero.

Ceia do Rosh Hashaná e o shofar, à direita.

Ceia do Rosh Hashaná; sobre a mesa, o shofar (à direita).

O Rosh Hashaná, literalmente “cabeça do ano”, em hebraico, é celebrado em uma data móvel entre setembro e outubro do calendário gregoriano. Em 2020, o Rosh Hashaná iniciará ao por do sol do dia 19 de setembro e termina ao anoitecer de 20 de setembro, celebrando a chegada do ano 5781.

Diferente dos festejos do réveillon cristão, o Ano Novo judaico é um dia de introspecção e reflexão sobre os atos passados no ano anterior e orações para o ano vindouro. Nos dias do Rosh Hashaná toca-se o shofar, chifre de um carneiro, simbolizando entre outras coisas, o despertar da consciência para as pessoas refletirem sobre seus atos. O Jom Kippur, o dia da reconciliação, segue-se à festa do ano novo.

8. Ano Novo islâmico: Ra’s as-Sanah 20 de agosto de 2020

O calendário islâmico começou no ano zero da Hégira (ano 622 do calendário gregoriano), data da saída do profeta Maomé de Meca para Medina. Baseia-se nos ciclos lunares e é composto por doze meses de 29 ou 30 dias, totalizando 354 dias.

O Ano Novo islâmico, chamado Eid Ras-Al-Sana, é comemorado no 1º dia de Muharram (primeiro mês do calendário islâmico) que, em 2020, ocorre dia 20 de agosto quando os muçulmanos festejam a chegada do ano 1444 AH (“Ano da Hégira”).

Durante a celebração, que dura dez dias, são realizados atos de compaixão, orações e jejum (não obrigatório como no Ramadan). Alguns países muçulmanos praticam, durante o Muharram, o autoflagelo para lembrar o sofrimento de Imman Hussein. Geralmente é feito com o gesto de bater a mão com força no peito, e é praticado por homens e mulheres. Em países ou comunidades xiitas, o autoflagelo é feito com facas, canivetes ou chicotes.

Eid Ras-Al Sana, em Sumatra, Indonésia.

Celebração do Ra’s as-Sanah, em Sumatra, Indonésia.

9. Ano Novo wicca: Samahain, 31 de outubro de 2020

Os praticantes da religião neopagã Wicca, difundida a partir da década de 1950, comemoram o Ano Novo no Samhain, palavra do irlandês arcaico que denominava a festa do fim das colheitas e início do inverno. O Samhain começa ao pôr do sol do último dia de outubro e termina no pôr do sol do dia 1º de novembro, momento que assinala o ponto médio entre o equinócio de outono e o solstício de inverno (ou a Lua cheia mais próxima desse ponto).

O Samhain, que deu origem ao Halloween ou Dia das Bruxas, é comemorado com rituais em altares para recordar os mortos e eliminar as energias negativas. Velas, incensos, maçãs, vinho quente e pratos com abóbora e carne fazem parte da celebração.

Samhain em Stonehenge, em Wiltshire,Inglaterra.

Druidas celebram o Samhain no círculo de Stonehenge, em Wiltshire, Inglaterra.

10. Ano Novo inca: Capac Raymi, 21 de Dezembro de 2020

Muitos povos da região dos Andes, especialmente do Peru e da Bolívia, ainda conservam as festividades de seus ancestrais incas. Os festejos atuais, contudo, são resultado de um sincretismo cultural que fundiu elementos pré-hispânicos com católicos.

O Capac Raymi, realizado no solstício de verão, nos dias 21 ou 22 de Dezembro, é uma festa religiosa em honra ao Sol, marcava o início do primeiro mês do calendário inca. Nele se faziam sacrifícios de animais, mascava-se coca e dançava-se até a madrugada.

Na época Inca, o Capac Raymi era uma data mais importante que o Inti Raymi (solstício de inverno), a Festa do Sol, celebrada no dia 24 de junho. O Capac Raymi cai no meio da estação chuvosa do Peru, em uma Lua Nova, quando, normalmente, o sol e a lua não podem ser vistos com clareza. A duração dessa celebração sagrada mudava ano após ano. Se a Lua Nova chegasse após o solstício de 21 de dezembro, as celebrações poderiam durar 22 dias; mas se chegasse antes, elas poderiam durar até 52 dias.

A observância do solstício de dezembro também marcava um evento importante para os meninos nobres do Império Inca. O mês anterior era dedicado aos rituais de iniciação, onde as orelhas dos meninos eram perfuradas, permitindo a inserção de grandes carretéis de orelhas usados ​​pela realeza Inca. Marcava-se, dessa forma, a maioridade dos possíveis futuros líderes do Império Inca.

Hoje, as festividades no Peru Moderno combinam elementos incas e cristãos. Há a celebração da Navidad (Natal) e do solstício de dezembro com desfiles, multidões nas ruas, muita música e bebida.

Desfile do povo de Chavín nas festas de Capac Raymi, de 2008. Veja o vídeo.

11. Ano Novo gregoriano: 1º de Janeiro de… 2020?

O nosso Ano Novo também tem uma história que remonta à época dos romanos (veja artigo aqui). A cronologia cristã começou com o presumível nascimento de Jesus calculado, em 532, pelo monge Dionísio Exíguo (ou seja, Dionísio o Menor, significando o Humilde). Até então, os cristãos usavam o calendário juliano (de Júlio César) datando os eventos a partir da fundação de Roma.

Dionísio estabeleceu uma nova cronologia dividindo a história em antes de Cristo (a.C.) e depois de Cristo (d.C.), que até hoje é utilizada. Nesta divisão não existe o ano zero, o que significa que passa-se do ano 1 a.C. direto para ano 1 d.C.

Curiosamente, os cálculos de Dionísio foram feitos na mesma época que Annianus estabeleceu o calendário etíope, porém, chegando a resultados diferentes. A cronologia de Dionísio, contudo, estava errada e muitos estudiosos demonstraram isso.

O papa Bento XVI reconheceu o erro em seu livro “A infância de Jesus”. Segundo o papa, o nascimento de Jesus teria acontecido entre 4 e 6 anos antes de Cristo. Isso significa que, em 1º de Janeiro de 2020, a cristandade está celebrando o início do ano 2024 ou 2026.

Sobre o calendário cristão, leia matéria aqui. 

Fonte

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback

[…] Post via; texto adaptado por Brunella Nunes […]

trackback

[…] Quantos Anos Novos o ano tem? […]

Ashley
2 anos atrás

Nice post written.
A very useful and informative information provided by you.
much appreciated.

Well There are many kinds of virus spreading these days in market and infecting the user’s system and one of such virus which will hijack your brwoser and change your browser’s setting is Browser Hijacker

mPanchang provides you with a great tool of child gender prediction and you can predict your upcoming child’s gender by clicking on chinese gender predictor

for more information vist http://howtoremoveit.blogspot.in/

Master Perfect
2 anos atrás

Well and great article thanks for sharing

Master Perfect
2 anos atrás

Good and amazing website thanks for sharing

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: